sicnot

Perfil

Mundo

Viver no espaço altera os genes, revela estudo da NASA sobre gémeos astronautas

Mark, à esquerda, ficou em Terra, Scott esteve 340 dias no espaço.

NASA

Os primeiros resultados do estudo que a NASA está a realizar com os gémeos astronautas revelam que há alterações genéticas no organismo do astronauta que viveu durante um ano no espaço.

Em março de 2016, Scott Kelly regressou à Terra após 340 dias a viver na órbita terrestre, a bordo da Estação Espacial Internacional. A par do cosmonauta russo Mikhail Kornienko, bateram o recorde da mais longa estadia no espaço.

A sua missão era sobretudo avaliar os efeitos fisiológicos e psicológicos de tão prolongada saída da Terra, com vista à preparação de uma viagem até Marte. Para um ser humano chegar ao planeta vermelho são precisos nove meses, mas uma viagem de ida e volta demorará 500 dias.

Scott Kelly foi o objeto da experiência mais interessante para os cientistas uma vez que em Terra ficou o seu irmão gémeo, Mark, também astronauta, mas já na reforma.

Ambos têm exatamente o mesmo perfil genético, ocasião única para estudar eventuais disparidades na expressão dos genes - causadas pelas radiações ou pela micro-gravidade. Mark, o gémeo terrestre, realizou os mesmos testes que o seu irmão "espacial".

Os resultados preliminares deste estudo começam agora a ser divulgados, mas foram tantos os testes e as experiências realizados que vão demorar alguns anos até se terem as conclusões finais. A revista Nature publicou um resumo das primeiras conclusões dos peritos, já discutidas numa conferência a 26 de janeiro.

© Handout . / Reuters

Scott esteve 340 dias ininterruptos no espaço entre 2015 e 2016, mas no total já esteve 520 dias. Mark esteve no espaço 54 dias em quatro missões do vaivém espacial entre 2001 e 2011.

"Foram observadas diferenças entre os dois gémeos", refere o geneticista Christopher Mason, do Weill Cornell Medical College em Nova Iorque. Essas diferenças situam-se ao nível da expressão dos genes, da metilação (modificação química) de certos grupos de ADN e outros parâmetros biológicos. Tudo junto parece indicar que há uma reação do organismo perante um stress intenso - neste caso, a viagem espacial, referem os cientistas.

Houve, já se sabe, alterações que no entanto foram revertidas, como foi o caso de Scott Kelly ter crescido 3,81 centímetros, mas depois de regressa à Terra voltou à altura que tinha.

Os gémeos Scott e Mark Kelly vão continuar a ser avaliados durante quatro anos. Mas a NASA espera poder realizar outras experiências com outros voluntários e aguarda a candidatura de mais pares de gémeos para futuros astronautas.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

  • NASA lança projeto de pesquisa com astronauta norte-americano e irmão gémeo
    1:43

    Mundo

    Arranca na sexta feira uma missão espacial inédita da NASA. Um astronauta norte-americano e um cosmonauta russo vão passar um ano na Estação Espacial Internacional. Durante esse período, os especialistas vão fazer testes ao astronauta e ao irmão gémeo que vai ficar em Terra, para avaliar os efeitos da permanência prolongada no espaço.A experiência com duas pessoas geneticamente semelhantes pretende perceber como o espaço afeta o corpo humano durante uma estadia prolongada.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC