sicnot

Perfil

Mundo

Irão adverte Washington para não procurar "novas tensões"

© Ruben Sprich / Reuters

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, advertiu hoje os Estados Unidos para não procurarem "um pretexto" para criar "novas tensões" em relação ao programa de mísseis balísticos do Irão.

"Esperemos que a questão do programa defensivo do Irão (...) não seja usada como pretexto" pela nova administração norte-americana para "provocar novas tensões", declarou Zarif, em conferência de imprensa conjunta com o homólogo francês, Jean-Marc Ayrault.

Zarif não confirmou, nem desmentiu a realização de um ensaio de míssil, na segunda-feira, de acordo com o governo norte-americano.

A Casa Branca informou estar a analisar os pormenores relativos ao ensaio de um míssil balístico do Irão, país que está sujeito a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que proíbe ensaios de mísseis balísticos com capacidade para transportar uma ogiva nuclear.

Na conferência de imprensa, Zarif sublinhou que "a questão dos mísseis não faz parte do acordo" sobre o programa nuclear iraniano, assinado em julho de 2015 entre Teerão e o grupo dos 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China - e a Alemanha).

O chefe da diplomacia iraniana respondia a uma pergunta sobre se o Irão tinha realizado um ensaio de mísseis recentemente.
Zarif reiterou a posição habitual das autoridades iranianas, ao afirmar que os mísseis do país "não estão concebidos para transportar ogivas nucleares".

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".