sicnot

Perfil

Mundo

Seis países da lista de Trump também têm restrições em função da nacionalidade

© / Reuters

Seis dos sete países muçulmanos que constam da lista de Donald Trump, no controverso decreto anti-imigração, têm também medidas restritivas de entrada de cidadãos estrangeiros. De acordo com a Associação de Transporte Aéreo Internacional, Síria, Sudão, Irão, Iraque, Iémen e Líbia proíbem a entrada de cidadãos com passaporte israelita.

Esta medida está também em vigor em mais 10 países. Argélia, Bangladesh, Brunei, Kuwait, Líbano, Malásia, Omã, Paquistão, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos impõem também restrições à entrada de cidadãos com passaporte israelita.

A Somália é o único dos sete países cujos cidadãos o Presidente norte-americano impôs proibição de entrada nos Estados Unidos que não proíbe a visita de israelitas. Contudo, o Governo de Mogadíscio proíbe a circulação de israelitas para países da África Ocidental.

Esta medida limitativa de entrada de pessoas de nacionalidade israelita surge pelo facto do Estado judaico ser um país que impõe restrições de entrada a palestinianos.

O decreto de Donald Trump, assinado sexta-feira, proibiu a entrada no país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias, e de refugiados sírios indefinidamente, e a de cidadãos de sete países muçulmanos (Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen) durante 90 dias.

  • México disponibiliza 5 milhões de dólares para ajudar imigrantes deportados
    0:55

    Mundo

    Num comunicado ao país, o Presidente mexicano disse esta segunda-feira que o país disponibilizou cerca de 50 milhões de dólares para contratar advogados para os imigrantes que enfrentam deportação nos Estados Unidos. Enrique Peña Nieto confirmou que falou ao telefone com Donald Trump na sexta-feira e que, apesar de não terem chegado a nenhum acordo, vão manter o diálogo.

  • Democratas unem esforços para travar Trump

    Mundo

    Alimentados pela revolta contra as recentes medidas de Donald Trump, os democratas norte-americanos estão a reunir forças para responder à nova administração. Ontem, no Congresso, lançaram aquilo que, dizem, será uma "luta prolongada" em várias frentes e que vai incluir a aprovação de duas propostas de lei para revogar o decreto de Trump e limitar a autoridade executiva do Presidente em matérias de imigração.

  • Novo procurador-geral interino dos EUA vai cumprir ordem de imigração de Trump

    Mundo

    O novo procurador-geral interino dos Estados Unidos comprometeu-se a defender a controversa ordem de Donald Trump sobre imigração, horas depois de a sua antecessora ter sido afastada. O procurador federal Dana Boente foi nomeado para o cargo depois de Trump ter despedido Sally Yates, que transitou da administração de Obama e ocupava o lugar enquanto o novo procurador, Jeff Sessions, não é confirmado.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.