sicnot

Perfil

Mundo

Brasil integra lista de paraísos fiscais elaborada pela UE

© Ueslei Marcelino / Reuters

O Brasil figura numa lista de 92 países considerados paraísos fiscais elaborada e apresentada esta quarta-feira pela União Europeia (UE).

Segundo a agência France Presse (AFP), trata-se ainda de um levantamento intermédio, com a lista final a dever ser divulgada pela UE no segundo semestre deste ano.

Brasil é um dos países citados que adota políticas que favorecem a falta de transparência, mantém regimes fiscais preferenciais e não faz a tributação de impostos sobre os lucros das empresas.

Segundo fontes consultadas pela AFP em Bruxelas, a UE já teria enviado pedidos de esclarecimento sobre atividades consideradas de risco antes da publicação definitiva da lista.

As mesmas fontes disseram que os países com os quais as conversações da UE não forem bem-sucedidas poderão ser colocados em uma "lista comum de jurisdições não cooperantes em matéria fiscal", porém, possíveis sanções ainda não foram discutidas pelos 28.

Lusa

  • O que são paraísos fiscais
    1:08

    Panama Papers

    Os paraísos fiscais são países com uma malha legal permissiva o suficiente para acolher dinheiro de origem, muitas vezes, duvidosa. O processo não é ilegal. Mas, como comprovam vários escândalos, como o do Panama Papers, têm aberto a porta à lavagem de dinheiro, à fraude e à evasão fiscal.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.