sicnot

Perfil

Mundo

EUA colocam Irão "sob vigilância" após teste de míssil

© Carlos Barria / Reuters

O Conselheiro para a Segurança nacional dos Estados Unidos, Michael Flynn, denunciou esta quarta-feira "o comportamento desestabilizador" do Irão e disse que este país foi oficialmente colocado "sob vigilância".

"A partir de hoje vamos colocar oficialmente o Irão sob vigilância", declarou o conselheiro do Presidente Donald Trump e antigo chefe das informações militares norte-americanas, ao criticar em particular o "provocador" disparo de um míssil balístico efetuado por Teerão no domingo.

Flynn disse aos jornalistas que a administração de Trump "condena estas ações pelo Irão que comprometem a segurança, prosperidade e estabilidade no Médio Oriente e de outras regiões e que colocam vidas americanas em risco".

Referiu ainda que "o Irão sente-se de momento encorajado", criticando a administração Obama por não ter "respondido de forma adequada".

Flynn disse que "estamos oficialmente a colocar o Irão sob vigilância", apesar de não ser claro o significado desta medida.

Um responsável do Pentágono, citado sob anonimato pela agência noticiosa Associated Press (AP) disse esta semana que o teste com o míssil terminou com uma "fracassada" reentrada na atmosfera terrestre.

O mesmo responsável não forneceu mais detalhes, incluindo o tipo de míssil.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.