sicnot

Perfil

Mundo

Estado do Missouri executa homem pela morte de mulher e duas crianças em 1998

© Handout . / Reuters

O estado norte-americano de Missouri executou na terça-feira Mark Christeson, de 37 anos, condenado à morte por violar e assassinar uma mulher e matar depois os seus dois filhos em 1998.

Christeson foi declarado morto às 19:05 (01:05 de quarta-feira em Lisboa), oito minutos depois de receber uma injeção letal na prisão de Bonne Terre, informou o Departamento Correcional de Missouri.

A 31 de janeiro de 1998, Christeson e o seu primo Jesse Carter saíram da casa de um familiar, onde viviam, e dirigiram-se para casa de uma vizinha. Christeson e Carter, com 18 e 17 anos respetivamente, tinham a intenção de roubar o carro da vizinha, Susan Brouk.

Os primos entraram na casa, amordaçaram as crianças (Adrian de 12 anos e Kyle de 9), e Christeson violou Brouk, sob a ameaça de uma arma, no quarto da filha.

No entanto, de acordo com confissões posteriores, Adrian reconheceu Carter e por esse motivo Christeson decidiu assassiná-los a todos.

Os dois homens obrigaram Brouk e os filhos a entrar no carro da família e levaram-nos para uma lagoa nas redondezas, onde os afogaram após os ferir gravemente com arma branca.

Dias depois, alertados para o desaparecimento, as autoridades avistaram de helicóptero os corpos da família a flutuar na lagoa.

Nove dias depois os primos foram detidos na Califórnia, para onde tinham fugido com o dinheiro conseguido através da venda dos objetos que roubaram da casa de Brouk.

Durante o julgamento, em 1999, Carter conseguiu um acordo com o Ministério Público e foi condenado a prisão perpétua, depois de testemunhar contra o seu primo Mark, que recebeu a pena capital.

Christeson tornou-se o quarto réu executado este ano nos Estados Unidos e o 1.446.º desde que o Supremo Tribunal restituiu esta pena há quatro décadas. O estado do Missouri executou 88 desses presos.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),