sicnot

Perfil

Mundo

François Fillon acusa esquerda de "golpe de Estado institucional" contra si 

© Christian Hartmann / Reuters

O ex-primeiro-ministro francês e candidato às presidenciais francesas, François Fillon, disse hoje que a polémica em que foi envolvido relacionada com alegados empregos fictícios da sua mulher como assistente parlamentar é "um golpe de Estado institucional" da esquerda.

Fillon mostrou-se hoje mais ofensivo do que nunca -- de acordo com Thierry Solère, um dos seus lugares-tenentes - numa reunião de deputados do Partido Republicano, em que considerou que tinha sido posto "sob o ponto de mira".

O porta-voz do Governo e ministro da Agricultura, Stéphane Le Foll, defendeu o Partido Socialista francês e o executivo das acusações, considerando-as "inaceitáveis", contrapondo que "cada um deve assumir as suas responsabilidades".

Fillon pediu aos seus apoiantes que esperem "15 dias", prazo em que ele calcula que a investigação preliminar terá concluído os seus trabalhos. Os resultados desta investigação, acredita o político conservador, dar-lhe-ão um novo fôlego para relançar a campanha.

Fillon alertou ainda os seus pares para o perigo de o partido considerar um plano B para o substituir -- cenário que já foi divulgado pela imprensa francesa -, considerando que qualquer solução deste género traduzir-se-á num fracasso eleitoral.

Também Solère sublinhou que "ninguém impedirá Fillon" de concorrer às eleições de abril e maio, considerando que se está a tentar fazer com que os franceses não tenham umas "eleições democráticas".

A polémica, de acordo com uma sondagem publicada pelo jornal económico francês Les Echos, pesa já nas intenções de voto em Fillon, que sofreu uma queda de entre cinco e seis pontos percentuais em menos de um mês e não tem garantida a sua passagem à segunda volta.

O favorito no campo do partido Os Republicanos é agora o ex-ministro da Economia Emmanuel Macron, que não apenas passaria à segunda volta de 7 de maio próximo, como bateria a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, com 65% dos votos.

Fillon insistiu hoje que a sua mulher foi "remunerada legalmente e com uma quantia normal" como sua assistente parlamentar e posteriormente do deputado que o substituiu na circunscrição.

O semanário "Le Canard Enchaîné" revelou hoje que a mulher de Fillon esteve contratada durante 15 anos, e não apenas oito, como foi veiculado antes, e beneficiou de um montante total bruto de salários na ordem dos 831 mil euros, provenientes do erário público.


Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59