sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen recusa-se a devolver 300 mil euros ao Parlamento Europeu

© Jacky Naegelen / Reuters

A candidata da Frente Nacional às presidenciais em França recusa-se a devolver cerca de 300 mil euros ao Parlamento Europeu. Marine Le Pen tinha até à meia-noite para pagar a verba, mas não o fez e afirma que não tem intenção de o fazer.

Estrasburgo alega que Marine de Pen usou os fundos erradamente, alegando que a candidata contratou com essa verba a sua amiga Catherine Griset como "assistente acreditada", de 2010 a 2016, para trabalhar na Frente Nacional e não no Parlamento Europeu.

Marine Le Pen alega que está a ser vítima de vingança e declarou: "Contesto formalmente esta decisão, unilateral e ilegal".

De acordo com o Paris Le Match, estará também em causa um valor superior a 41.500 euros para remunerar Thiérry Légier, guarda costas de Le Pen.

Se a dirigente da Frente Nacional não devolver o dinheiro, o Parlamento poderá vir a reter cerca de metado do salário da deputada europeia, valor que deverá rondar os 11 mil euros mensais.

Le Pen é deputada do Parlamento Europeu desde 2004, foi eleita presidente da Frente Nacional em 2011 e vai este ano disputar as presidenciais, que terão lugar em abril e maio. Caso vença, já garantiu que vai realizar em França um referendo semelhante ao Brexit.

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Duas frentes "preocupantes" no concelho de Mação

    País

    A Proteção Civil chegou a dizer que a situação estava mais calma em Mação, mas durante a tarde desta sexta-feira surgiram duas frentes "preocupantes" junto às populações de Vale de Abelha e Ortiga, informou o presidente da Câmara.