sicnot

Perfil

Mundo

Peritos da ONU acusam EUA de violar obrigações em direitos humanos

© Monica Almeida / Reuters

Um grupo de especialistas independentes em direitos humanos da ONU afirmou esta quarta-feira que o veto temporário norte-americano à entrada no país de cidadãos de sete países de maioria muçulmana "viola as obrigações internacionais" dos EUA.

Num comunicado, os especialistas recordam que o direito internacional protege os princípios da não devolução de pessoas a um território onde a sua vida ou liberdade corram perigo e da não discriminação com base na raça, nacionalidade ou religião.

O Presidente Donald Trump assinou na sexta-feira um decreto que suspende a entrada no país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias (para os sírios o prazo é indeterminado) e dos cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria) durante três meses.

A ordem executiva surgiu no âmbito de um pacote de medidas para proteger o país de "terroristas islâmicos radicais".

Os relatores sobre os direitos dos migrantes, François Crépeau, racismo, Mutuma Ruteere, proteção dos direitos humanos na luta contra o terrorismo, Bem Emmerson, tortura, Mils Melzer, e liberdade religiosa, Ahmed Shaheed, assinalam que a proibição "é claramente discriminatória ao basear-se na nacionalidade e aumentar a estigmatização da comunidade muçulmana".

"A recente política migratória dos EUA também pode levar a que pessoas sejam devolvidas, sem um processo individual e procedimentos de asilo adequados, a lugares em que estão em risco de sofrer tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, contra o direito internacional humanitário e as leis internacionais de direitos humanos", indicaram.

Os relatores receiam que as pessoas proibidas de entrar sejam detidas por um período indefinido e posteriormente deportadas.

"Isto é profundamente preocupante", indicam, adiantando que "no meio da pior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial" a medida "representa um importante revés para os que precisam de proteção internacional".

"Os EUA devem cumprir as suas obrigações internacionais e dar proteção aos que fogem da perseguição e dos conflitos", sublinham os especialistas.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC