sicnot

Perfil

Mundo

Peritos da ONU acusam EUA de violar obrigações em direitos humanos

© Monica Almeida / Reuters

Um grupo de especialistas independentes em direitos humanos da ONU afirmou esta quarta-feira que o veto temporário norte-americano à entrada no país de cidadãos de sete países de maioria muçulmana "viola as obrigações internacionais" dos EUA.

Num comunicado, os especialistas recordam que o direito internacional protege os princípios da não devolução de pessoas a um território onde a sua vida ou liberdade corram perigo e da não discriminação com base na raça, nacionalidade ou religião.

O Presidente Donald Trump assinou na sexta-feira um decreto que suspende a entrada no país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias (para os sírios o prazo é indeterminado) e dos cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria) durante três meses.

A ordem executiva surgiu no âmbito de um pacote de medidas para proteger o país de "terroristas islâmicos radicais".

Os relatores sobre os direitos dos migrantes, François Crépeau, racismo, Mutuma Ruteere, proteção dos direitos humanos na luta contra o terrorismo, Bem Emmerson, tortura, Mils Melzer, e liberdade religiosa, Ahmed Shaheed, assinalam que a proibição "é claramente discriminatória ao basear-se na nacionalidade e aumentar a estigmatização da comunidade muçulmana".

"A recente política migratória dos EUA também pode levar a que pessoas sejam devolvidas, sem um processo individual e procedimentos de asilo adequados, a lugares em que estão em risco de sofrer tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, contra o direito internacional humanitário e as leis internacionais de direitos humanos", indicaram.

Os relatores receiam que as pessoas proibidas de entrar sejam detidas por um período indefinido e posteriormente deportadas.

"Isto é profundamente preocupante", indicam, adiantando que "no meio da pior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial" a medida "representa um importante revés para os que precisam de proteção internacional".

"Os EUA devem cumprir as suas obrigações internacionais e dar proteção aos que fogem da perseguição e dos conflitos", sublinham os especialistas.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.