sicnot

Perfil

Mundo

Irão está "sob aviso" após lançamento de míssil

O Presidente norte-americano, Donald Trump, reiterou hoje que "o Irão foi colocado formalmente sob aviso por disparar um míssil balístico" e acrescentou que Teerão "devia estar agradecido pelo acordo terrível assinado com os Estados Unidos".

Na rede social Twitter, o Presidente norte-americano acrescentou que "o Irão estava de joelhos e prestes a colapsar quando os Estados Unidos lhe estenderam um salva-vidas sob a forma de acordo: 150 mil milhões de dólares (139 mil milhões de euros à taxa atual)".

A declaração de Trump reitera declarações proferidas pelo seu conselheiro para a Segurança, Michael Flynn, na passada quarta-feira.

Michael Flynn disse então que "a administração Obama fracassou na resposta adequada às ações malignas de Teerão" e afirmou que o Irão foi colocado "sob aviso", sem elaborar sobre que procedimentos serão tomados.

O Irão rejeitou já o aviso do Presidente norte-americano, considerando-o "infundado" e "provocador".

"As alegações do conselheiro para a Segurança do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, são infundadas, repetitivas e provocadoras", afirmou o porta-voz do Ministério iraniano dos Negócios Estrangeiros, Bahram Ghasemi, citado pela agência iraniana de notícias, IRNA.

O Irão realizou no domingo um teste de um míssil balístico de médio alcance, que explodiu depois de percorrer cerca de mil quilómetros, e na segunda-feira os houthis xiitas, rebeldes iemenitas apoiados pelo Irão, bombardearam com sucesso uma fragata saudita no Mar Vermelho.

Flynn afirmou que o Irão "continua a ameaçar os amigos dos Estados Unidos e os seus aliados na região" e sublinhou que a administração Trump considera que os acordos assinados pelo governo anterior de Barack Obama são "fracos e ineficazes".

No dia anterior a estas declarações, a embaixadora norte-americana junto das Nações Unidas, Nikki Haley, tinha considerado "absolutamente inaceitável" o ensaio do míssil balístico e prometido que o seu país iria dar-lhe uma resposta, sem elaborar.

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.