sicnot

Perfil

Mundo

Irão está "sob aviso" após lançamento de míssil

O Presidente norte-americano, Donald Trump, reiterou hoje que "o Irão foi colocado formalmente sob aviso por disparar um míssil balístico" e acrescentou que Teerão "devia estar agradecido pelo acordo terrível assinado com os Estados Unidos".

Na rede social Twitter, o Presidente norte-americano acrescentou que "o Irão estava de joelhos e prestes a colapsar quando os Estados Unidos lhe estenderam um salva-vidas sob a forma de acordo: 150 mil milhões de dólares (139 mil milhões de euros à taxa atual)".

A declaração de Trump reitera declarações proferidas pelo seu conselheiro para a Segurança, Michael Flynn, na passada quarta-feira.

Michael Flynn disse então que "a administração Obama fracassou na resposta adequada às ações malignas de Teerão" e afirmou que o Irão foi colocado "sob aviso", sem elaborar sobre que procedimentos serão tomados.

O Irão rejeitou já o aviso do Presidente norte-americano, considerando-o "infundado" e "provocador".

"As alegações do conselheiro para a Segurança do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, são infundadas, repetitivas e provocadoras", afirmou o porta-voz do Ministério iraniano dos Negócios Estrangeiros, Bahram Ghasemi, citado pela agência iraniana de notícias, IRNA.

O Irão realizou no domingo um teste de um míssil balístico de médio alcance, que explodiu depois de percorrer cerca de mil quilómetros, e na segunda-feira os houthis xiitas, rebeldes iemenitas apoiados pelo Irão, bombardearam com sucesso uma fragata saudita no Mar Vermelho.

Flynn afirmou que o Irão "continua a ameaçar os amigos dos Estados Unidos e os seus aliados na região" e sublinhou que a administração Trump considera que os acordos assinados pelo governo anterior de Barack Obama são "fracos e ineficazes".

No dia anterior a estas declarações, a embaixadora norte-americana junto das Nações Unidas, Nikki Haley, tinha considerado "absolutamente inaceitável" o ensaio do míssil balístico e prometido que o seu país iria dar-lhe uma resposta, sem elaborar.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48