sicnot

Perfil

Mundo

Mulher de Lula da Silva em estado de morte cerebral

© Paulo Whitaker / Reuters

A mulher do ex-Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa Leticia Rocco, está em estado de morte cerebral e a família já deu autorização para a doação de órgãos, revelou hoje o Hospital Sírio-Libanês de São Paulo.

Marisa Leticia, de 66 anos, foi internada a Hospital Sírio-Libanês de São Paulo a 24 de janeiro, depois de sofrer um acidente vascular-cerebral.

Esteve em coma e hoje os médicos do hospital concluíram que "há uma ausência de fluxo sanguíneo para o cérebro".

"Com a autorização da família, o processo de doação de órgão está em curso", informa o hospital em comunicado.

Lula da Silva fez um agradecimento público na sua página no Facebook, depois de alterar a foto de perfil com uma imagem do casal.

Lula e Marisa Letícia casaram-se em 1973, quando ambos eram viúvos, e após um romance de sete meses.

Nos últimos meses a justiça brasileira abriu cinco processos penais contra Lula por alegada corrupção. Em três deles, a sua mulher foi incluída na lista dos acusados.

Lula foi Presidente do Brasil entre 2003 e 2010 e, apesar da sua delicada situação com a justiça brasileira, já indicou em diversas ocasiões que poderia candidatar-se a um terceiro mandato presidencial nas eleições de 2018.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.