sicnot

Perfil

Mundo

Quadro clínico da mulher de Lula da Silva "é irreversível"

© Jamil Bittar / Reuters

O quadro clínico da ex-primeira-dama do Brasil Marisa Letícia Lula da Silva "é irreversível", de acordo com informações do médico da família, o cardiologista Roberto Kalil Filho, divulgou esta quinta-feira a imprensa brasileira.

Segundo o portal de notícias G1, na noite de quarta-feira, o médico da família do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse aos jornalistas que o quadro clínico da ex-primeira-dama "é irreversível".

A mulher do ex-Presidente Lula da Silva está internada no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde o dia 24 de janeiro, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral hemorrágico provocado pelo rompimento de um aneurisma.

O quadro clínico de Marisa Lula da Silva piorou no início da noite desta quarta-feira e voltou a ser sedada, segundo Kalil Filho, que chefia a equipa que cuida da paciente.

Um exame realizado permitiu constatar que Marisa Letícia tem uma circulação mínima de sangue no cérebro. Os médicos vão continuar a vigiar as atividades cerebrais da paciente e fazer posteriormente uma nova avaliação.

O ex-Presidente Lula da Silva está no hospital, na região central de São Paulo, para acompanhar o tratamento da mulher.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33