sicnot

Perfil

Mundo

Uber anuncia suspensão temporária de serviço em Taiwan por pressão governamental

© Reuters Photographer / Reuter

A empresa norte-americana Uber anunciou esta quinta-feira a suspensão temporária dos seus serviços em Taiwan a partir de 10 de fevereiro, por pressão do Governo que exige um registo como empresa de transporte.

A Uber também expressou a intenção de reiniciar negociações com o executivo de Taiwan para "inovar a tecnologia de transportes".

"Esta é uma decisão difícil", indica um comunicado da empresa em que é mencionada a sua contribuição para 15 milhões de viagens em quatro anos de operação na ilha.

O anúncio aconteceu depois de o Governo taiwanês passar 48 multas num valor total de 1.100 milhões de dólares taiwaneses (31.798 milhões de euros) desde 06 de janeiro deste ano, data em que entrou em vigor uma revisão da Lei de Transportes e Estradas, que elevou o montante máximo de penalizações para serviços de transportes ilegal de passageiros.

O Ministério dos Transportes de Taiwan ordenou à Uber que cesse as suas operações e disse que a proibição dos seus serviços vai continuar enquanto a empresa não respeitar as leis locais.

A Uber está registada como empresa de serviços informáticos, apesar de prestar serviços de transportes, segundo o Governo de Taiwan.

Anteriormente o Ministério dos Transportes tinha indicado que a Uber tinha recebido multas num total de 68,45 milhões de dólares taiwaneses (2,03 milhões de euros) por 481 violações, e os seus condutores tinham sido multados em 20,83 milhões de dólares taiwaneses (612.545 euros) até ao final de dezembro do ano passado.

Com a revisão da lei, a multa máxima aplicada a operadores de serviços de transporte ilegais passou de entre 50.000 (1.483 euros) e 150.000 dólares taiwaneses (4.453 euros) para entre 100.000 (2.967dólares) e 25 milhões de dólares taiwaneses (831.133 euros).

Lusa

  • Boicote à Uber nos EUA após protesto de taxistas contra Trump

    Mundo

    Milhares de pessoas nos EUA manifestaram-se no sábado passado contra o diploma anti-imigração de Donald Trump. Um dos protestos com maior impacto teve lugar em vários aeroportos do país. Em Nova Iorque, uma associação de taxistas apelou a um boicote no Aeroporto Internacional John F. Kennedy. Durante uma hora, ao final da tarde, os taxistas suspenderam os serviços para este aeroporto. A Uber assumiu, no entanto, uma postura distinta. A empresa anunciou uma descida de preços, o que foi visto como um boicote ao protesto e são muitos os que decidiram desativar a aplicação da Uber.

  • Lesados do BES manifestam-se hoje no Porto 

    Queda do BES

    Um grupo de lesados pelo Banco Espírito Santo (BES) concentra-se hoje no Porto para exigir "bom senso" ao Governo, ao Banco de Portugal (BdP) e aos responsáveis do Novo Banco, refere um comunicado remetido às redações.A manifestação está marcada para as 11:00, nas imediações do balcão do Novo Banco e do Banco de Portugal, na Avenida dos Aliados, e a nota dirigida à imprensa é assinada por quase centena e meia de pessoas."

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Morre congressista republicano norte-americano acusado de assédio sexual

    Mundo

    O congressista estatal do Kentucky e pastor evangélico Dan Johnson morreu na quarta-feira, num aparente suicídio, dois dias depois de ser acusado de assédio sexual por uma mulher, disseram as autoridades. O médico legista do condado, Dave Billings, afirmou que a morte de Johnson foi causada por um único tiro, numa ponte de Mount Washinton, perto de Louisville, onde estacionou o automóvel.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28