sicnot

Perfil

Mundo

Dificilmente encontrará hoje uma notícia melhor: filho de Michael Bublé livre de cancro

Com apenas 3 anos, Noah parece ter vencido a batalha contra o cancro do fígado. A boa notícia foi dada pela tia do menino a um jornalista argentino.

Aguarda-se ainda confirmação oficial de Michael Bublé mas o jornalista Tomas Dente foi o portador da boa nova no programa "Nosotros a la mañana". Em direto afirmou que a tia de Noah, cunhada de Bublé, a nutricionista Daniela Lopilato, lhe assegurou que a criança de três anos estava "livre do cancro".

O jornalista leu o comunicado da tia em direto porque "não queria omitir uma vírgula":

"Ela disse-me Noah está a recuperar e estamos muito felizes que isso aconteça. Que falem os pais quando quiserem e o entenderem. Há uma frase que considero maravilhosa que tem a ver com este rumor que chegou a uma colega minha - e volto a frisar que não há confirmação oficial porque os pais de Noah não falaram - mas em príncipio a criança está no bom caminho. A frase é "O cancro desapareceu".

O cantor partilhou a notícia da doença do filho no Facebook no dia 4 de novembro do ano passado. Até agora, não se conheciam quaiquer desenvolvimentos do estado de saúde do menino. Bublé, e a sua mulher, fizeram uma pausa nas suas carreiras para acompanhar o filho.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.