sicnot

Perfil

Mundo

Oposicionista russo crítico do Kremlin internado de urgência por falência súbita de órgãos

IVAN SEKRETAREV

Um político da oposição russa e conhecido crítico do Presidente Vladimir Putin foi esta quinta-feira internado nos cuidados intensivos, depois de uma falência súbita de órgãos, dois anos depois de ter sofrido um envenenamento suspeito, revelaram apoiantes.

Vladimir Kara-Murza estava ligado a um ventilador e a ser objeto de "diálise renal e outros procedimentos de cuidados intensivos", escreveu na rede social Facebook o advogado Vadim Prokhorov, ao fim do dia. Kara-Murza estava em "estado crítico", acrescentou.

Com 35 anos, Kara-Murza era um aliado de outro político oposicionista russo, Boris Nemtsov, que foi abatido a tiro, próximo do Kremlin, em 2015.

Até 2016, Kara-Murza foi vice-presidente do partido liberal Parnas, liderado pelo antigo primeiro-ministro Mikhail Kasyanov, que se tornou crítico de Putin.

Agora, estava a trabalhar como coordenador federal da fundação Rússia Aberta, de Mikhail Khodorkovsky, um ex-oligarca petrolífero que esteve preso uma década depois de se ter oposto abertamente a Putin.

Kara-Murza tinha estado hospitalizado em 2015, tenso então sido diagnosticado com uma súbita falência dos rins em associação com um envenenamento, tendo sido encontrados níveis elevados de metais pesados no seu sangue.

Tinha então solicitado à justiça russa que investigasse se tinha sido envenenado propositadamente, mas não foi aberta qualquer investigação. "Os sintomas são similares na aparência aos de então", disse hoje Prokhorov à agência noticiosa Interfax.

As razões para a doença súbita do ativista não eram claras para os médicos, acrescentou. Inquirido pelo diário Moskovsky Komsomolets sobre se suspeitava de envenenamento, o pai de Kara-Murza respondeu, a partir do hospital, que os doutores "não pensavam isso".

Contrapôs que "o envenenamento de há dois anos não desaparece sem consequências", adiantando: "A saúde do meu filho está enfraquecida".

A doença de Kara-Murza chamou a atenção do senador republicano John McCain, que se declarou "desolado" por saber da hospitalização deste russo, que disse ser seu amigo, e exigiu que os responsáveis fossem levados à Justiça.

Outros senadores, como o também republicano Marco Rubio, estão a tratar a situação como um teste para a presidência Trump, que tem garantido repetidas vezes que quer relações próximas com Putin.

"Insto a administração Trump, incluindo o secretário de Estado Tillerson, para fazerem a causa de Kara-Murza a causa dos EUA, questionarem as autoridades russas sobre isto e no fim responsabilizarem Putin se (Kara-Murza) for atacado pelo regime", afirmou Rubio.

O congressista democrata Steny Hoyer, membro da Câmara dos Representantes, afirmou que "o eventual envenenamento apenas reforça as possibilidades de sanções mais fortes contra a liderança russa".

Os assessores de Trump têm dito que este está a reconsiderar o existente regime de sanções contra a Federação Russa. Kara-Murza adoeceu na manhã de quinta-feira e foi hospitalizado de urgência, disse a sua esposa, Yevgeniya, citada no sítio da Rússia Aberta na internet.

Nesta fundação de Khodorkovsky, Kara-Murza tem desenvolvido projetos como o apoio a um grupo de jovens políticos da oposição durante as eleições parlamentares de 2016.

Em 2016, o dirigente da Chechénia, Ramzan Kadyrov, um lealista do Kremlin, provocou um escândalo ao colocar um vídeo no Instagram em que Kara-Murza e Kasyanov apareciam na mira de um 'sniper'.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.