sicnot

Perfil

Mundo

Oposicionista russo crítico do Kremlin internado de urgência por falência súbita de órgãos

IVAN SEKRETAREV

Um político da oposição russa e conhecido crítico do Presidente Vladimir Putin foi esta quinta-feira internado nos cuidados intensivos, depois de uma falência súbita de órgãos, dois anos depois de ter sofrido um envenenamento suspeito, revelaram apoiantes.

Vladimir Kara-Murza estava ligado a um ventilador e a ser objeto de "diálise renal e outros procedimentos de cuidados intensivos", escreveu na rede social Facebook o advogado Vadim Prokhorov, ao fim do dia. Kara-Murza estava em "estado crítico", acrescentou.

Com 35 anos, Kara-Murza era um aliado de outro político oposicionista russo, Boris Nemtsov, que foi abatido a tiro, próximo do Kremlin, em 2015.

Até 2016, Kara-Murza foi vice-presidente do partido liberal Parnas, liderado pelo antigo primeiro-ministro Mikhail Kasyanov, que se tornou crítico de Putin.

Agora, estava a trabalhar como coordenador federal da fundação Rússia Aberta, de Mikhail Khodorkovsky, um ex-oligarca petrolífero que esteve preso uma década depois de se ter oposto abertamente a Putin.

Kara-Murza tinha estado hospitalizado em 2015, tenso então sido diagnosticado com uma súbita falência dos rins em associação com um envenenamento, tendo sido encontrados níveis elevados de metais pesados no seu sangue.

Tinha então solicitado à justiça russa que investigasse se tinha sido envenenado propositadamente, mas não foi aberta qualquer investigação. "Os sintomas são similares na aparência aos de então", disse hoje Prokhorov à agência noticiosa Interfax.

As razões para a doença súbita do ativista não eram claras para os médicos, acrescentou. Inquirido pelo diário Moskovsky Komsomolets sobre se suspeitava de envenenamento, o pai de Kara-Murza respondeu, a partir do hospital, que os doutores "não pensavam isso".

Contrapôs que "o envenenamento de há dois anos não desaparece sem consequências", adiantando: "A saúde do meu filho está enfraquecida".

A doença de Kara-Murza chamou a atenção do senador republicano John McCain, que se declarou "desolado" por saber da hospitalização deste russo, que disse ser seu amigo, e exigiu que os responsáveis fossem levados à Justiça.

Outros senadores, como o também republicano Marco Rubio, estão a tratar a situação como um teste para a presidência Trump, que tem garantido repetidas vezes que quer relações próximas com Putin.

"Insto a administração Trump, incluindo o secretário de Estado Tillerson, para fazerem a causa de Kara-Murza a causa dos EUA, questionarem as autoridades russas sobre isto e no fim responsabilizarem Putin se (Kara-Murza) for atacado pelo regime", afirmou Rubio.

O congressista democrata Steny Hoyer, membro da Câmara dos Representantes, afirmou que "o eventual envenenamento apenas reforça as possibilidades de sanções mais fortes contra a liderança russa".

Os assessores de Trump têm dito que este está a reconsiderar o existente regime de sanções contra a Federação Russa. Kara-Murza adoeceu na manhã de quinta-feira e foi hospitalizado de urgência, disse a sua esposa, Yevgeniya, citada no sítio da Rússia Aberta na internet.

Nesta fundação de Khodorkovsky, Kara-Murza tem desenvolvido projetos como o apoio a um grupo de jovens políticos da oposição durante as eleições parlamentares de 2016.

Em 2016, o dirigente da Chechénia, Ramzan Kadyrov, um lealista do Kremlin, provocou um escândalo ao colocar um vídeo no Instagram em que Kara-Murza e Kasyanov apareciam na mira de um 'sniper'.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicoui porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.