sicnot

Perfil

Mundo

Árabes e judeus israelitas protestam em conjunto contra demolição de casas

Árabes e judeus israelitas desfilaram este sábado em conjunto no centro de Telavive para exigir o fim da demolição pelo Governo de casas árabes construídas sem licenças, que as autoridades raramente concedem.

Cerca de 1.000 manifestantes participaram no protesto, muitos com faixas em hebreu e árabe onde se lia "Judeus e árabes juntos", referiu a agência noticiosa Associated Press (AP).

A marcha foi liderada por deputados do partido Meretz (esquerda) e da Lista Conjunta, uma coligação dos principais partidos árabes, ambos na oposição.

Os árabes israelitas acusam o Governo de direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de promover a destruição das habitações árabes sem licença para acalmar os colonos judeus que se revoltaram pela destruição do colonato ilegal de Amona, erguido na Cisjordânia ocupada.

As tensões agravaram-se em janeiro, quando a polícia invadiu a povoação árabe de Umm al-Heiran (sul de Israel) para acompanhar as demolições, uma ação que resultou na morte de um polícia e de um árabe.

Os residentes de Amona e apoiantes foram retirados do colonato na quinta-feira, e as suas casas deverão ser demolidas no fim de semana.

Os árabes israelitas são descendentes de palestinianos que permaneceram após a criação do Estado de Israel em 1948. Atualmente constituem 17,5% da população, e acusam as autoridades israelitas de discriminações sistemáticas.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48