sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 12 mortos e 35 feridos em acidente com autocarro nas Honduras

Pelo menos 12 pessoas morreram e 35 ficaram feridas este domingo num acidente que envolveu um autocarro e um veículo de transporte de água em Tegucigalpa, nas Honduras, indicaram os serviços de socorro locais.

De acordo com o porta-voz do corpo de bombeiros local, Óscar Triminio, o número de vítimas mortais pode ainda aumentar, já que continuam a ser desencarceradas pessoas presas no autocarro.

O condutor do autocarro está entre as vítimas mortais e, dos 35 feridos transportados para o hospital, alguns encontram-se em estado grave.

As causas do acidente são ainda desconhecidas, e estão a ser investigadas. A polícia suspeita de excesso de velocidade por parte do condutor do camião, que se pôs em fuga.

De acordo com as autoridades, o autocarro tinha saído de Tegucigalpa com destino ao município de San Miguelito.

Os acidentes rodoviários representam a segunda causa de morte violenta nas Honduras, onde mais de 700 pessoas morreram por este motivo em 2016, segundo dados oficiais.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".