sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal nega recurso de Trump

© Mike Segar / Reuters

Foi rejeitado o recurso de Donald Trump que apelava ao tribunal para restabelecer a proibição de viajar para os Estados Unidos, aplicada a cidadãos de sete países muçulmanos.

Num documento enviado ontem à noite, o departamento de justiça norte-americano recorreu formalmente da decisão do juiz federal que suspendeu a ordem assinada pelo presidente há oito dias.

A notificação de recurso foi apresentada em nome de Trump, do secretário de Segurança Nacional e dos Estados Unidos da América.

A decisão do juiz federal James Robart teve efeito imediato em todo o país, o que obrigou o governo a revalidar milhares de vistos e a alterar os protocolos nos aeroportos.

O documento dá início a um processo de recurso que, segundo especialistas legais, vai seguir-se de um pedido de suspensão da decisão judicial que bloqueou o veto migratório, e de um relatório que expõe os motivos por que, do ponto de vista do Governo, o tribunal de recurso deve aceder ao pedido.

Atualmente, mantém-se a decisão do juiz federal James Robart, que bloqueou na sexta-feira a aplicação do decreto de Trump com efeito imediato em todo o país, o que obrigou o Governo a revalidar milhares de vistos e a alterar os seus protocolos de atuação em relação aos imigrantes anteriormente vetados.

No twitter, Donald Trump já tinha condenado a decisão do magistrado. Considerou-a rídicula e prometeu anulá-la.

  • "Donald Trump saiu da porta a correr, a disparar em todas as direções"
    6:09

    Opinião

    O Presidente dos Estados Unidos disse este sábado que o bloqueio do juiz federal é ridiculo. Donald Trump garante que a decisão judicial que suspende a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos vai ser anulada. O tema esteve em análise na SIC Notícias. Luís Costa Ribas lembra que esta decisão é temporária e destaca a invulgaridade deste tipo de decisões judiciais contra uma administração que tomou posse há tão pouco tempo.

  • Trump vai recorrer da decisão do juiz federal que suspende ordem anti-imigração
    1:55

    Mundo

    Nos Estados Unidos, um juiz federal de Seattle suspendeu a ordem de Donald Trump que proibe a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos. A Casa Branca considera que a decisão é ultrajante e vai agora recorrer. Seja como for, várias companhias aéreas já estão a permitir a entrada destes cidadãos a bordo dos aviões que viajam para América.

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.