sicnot

Perfil

Mundo

Assange pede ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade

reuters

O fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, pediu esta segunda-feira ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade, um ano depois de um grupo de trabalho da ONU determinar que a detenção do jornalista é arbitrária.

Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, emitiu hoje um comunicado em que reclama a liberdade e recorda que o Reino Unido e a Suécia assinaram tratados que reconhecem a ONU e os seus mecanismos de proteção dos direitos humanos.

O jornalista australiano permanece refugiado para evitar ser extraditado para a Suécia, devido a alegados crimes sexuais, e teme que depois possa ser enviado para os Estados Unidos para ser processado por ter revelado documentos confidenciais do Governo norte-americano.

A propósito da decisão, há um ano, do Grupo de Trabalho da ONU sobre detenções Arbitrárias, Assange assinalou que o Reino Unido e a Suécia reconheceram a jurisdição deste grupo e não se retiraram da investigação sobre o seu caso, que durou 16 meses.

"Perderam, recorreram e voltaram a perder", afirmou o fundador do Wikileaks, sublinhando que "a recusa dos dois países em reconhecer a decisão arbitral traz consigo um custo terrível".

"Outros estados podem agora deter ilegalmente cidadãos suecos e britânicos com efetiva impunidade", considera Assange, que acredita que o sistema de direitos humanos da ONU "está em perigo".

O Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenções Arbitrárias pediu há um ano aos dois países que pusessem fim à privação de liberdade do australiano - detido em Londres em 2010 a pedido da justiça sueca.

Assange refugiou-se em junho de 2012 na embaixada do Equador para evitar ser levado para a Suécia, país que reclama a sua extradição para esclarecer uma suposta implicação em quatro crimes de natureza sexual que o jornalista rejeita.

O Wikileaks indicou no mês passado que Assange concordaria ser extraditado para os Estados Unidos se o então presidente, Barak Obama, perdoasse Chelsea Manning, condenada em agosto de 2013 por espionagem por revelar àquele portal documentos militares e diplomáticos secretos norte-americanos.

Antes de deixar o poder, Obama aceitou comutar de 35 para sete anos de cadeia a pena de Manning, permitindo que possa sair em liberdade no próximo dia 17 de maio.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28