sicnot

Perfil

Mundo

Assange pede ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade

reuters

O fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, pediu esta segunda-feira ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade, um ano depois de um grupo de trabalho da ONU determinar que a detenção do jornalista é arbitrária.

Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, emitiu hoje um comunicado em que reclama a liberdade e recorda que o Reino Unido e a Suécia assinaram tratados que reconhecem a ONU e os seus mecanismos de proteção dos direitos humanos.

O jornalista australiano permanece refugiado para evitar ser extraditado para a Suécia, devido a alegados crimes sexuais, e teme que depois possa ser enviado para os Estados Unidos para ser processado por ter revelado documentos confidenciais do Governo norte-americano.

A propósito da decisão, há um ano, do Grupo de Trabalho da ONU sobre detenções Arbitrárias, Assange assinalou que o Reino Unido e a Suécia reconheceram a jurisdição deste grupo e não se retiraram da investigação sobre o seu caso, que durou 16 meses.

"Perderam, recorreram e voltaram a perder", afirmou o fundador do Wikileaks, sublinhando que "a recusa dos dois países em reconhecer a decisão arbitral traz consigo um custo terrível".

"Outros estados podem agora deter ilegalmente cidadãos suecos e britânicos com efetiva impunidade", considera Assange, que acredita que o sistema de direitos humanos da ONU "está em perigo".

O Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenções Arbitrárias pediu há um ano aos dois países que pusessem fim à privação de liberdade do australiano - detido em Londres em 2010 a pedido da justiça sueca.

Assange refugiou-se em junho de 2012 na embaixada do Equador para evitar ser levado para a Suécia, país que reclama a sua extradição para esclarecer uma suposta implicação em quatro crimes de natureza sexual que o jornalista rejeita.

O Wikileaks indicou no mês passado que Assange concordaria ser extraditado para os Estados Unidos se o então presidente, Barak Obama, perdoasse Chelsea Manning, condenada em agosto de 2013 por espionagem por revelar àquele portal documentos militares e diplomáticos secretos norte-americanos.

Antes de deixar o poder, Obama aceitou comutar de 35 para sete anos de cadeia a pena de Manning, permitindo que possa sair em liberdade no próximo dia 17 de maio.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia de 1967 durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Temperaturas vão baixar nos próximos dias
    1:05