sicnot

Perfil

Mundo

Assange pede ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade

reuters

O fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, pediu esta segunda-feira ao Reino Unido e à Suécia que lhe devolvam a liberdade, um ano depois de um grupo de trabalho da ONU determinar que a detenção do jornalista é arbitrária.

Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, emitiu hoje um comunicado em que reclama a liberdade e recorda que o Reino Unido e a Suécia assinaram tratados que reconhecem a ONU e os seus mecanismos de proteção dos direitos humanos.

O jornalista australiano permanece refugiado para evitar ser extraditado para a Suécia, devido a alegados crimes sexuais, e teme que depois possa ser enviado para os Estados Unidos para ser processado por ter revelado documentos confidenciais do Governo norte-americano.

A propósito da decisão, há um ano, do Grupo de Trabalho da ONU sobre detenções Arbitrárias, Assange assinalou que o Reino Unido e a Suécia reconheceram a jurisdição deste grupo e não se retiraram da investigação sobre o seu caso, que durou 16 meses.

"Perderam, recorreram e voltaram a perder", afirmou o fundador do Wikileaks, sublinhando que "a recusa dos dois países em reconhecer a decisão arbitral traz consigo um custo terrível".

"Outros estados podem agora deter ilegalmente cidadãos suecos e britânicos com efetiva impunidade", considera Assange, que acredita que o sistema de direitos humanos da ONU "está em perigo".

O Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenções Arbitrárias pediu há um ano aos dois países que pusessem fim à privação de liberdade do australiano - detido em Londres em 2010 a pedido da justiça sueca.

Assange refugiou-se em junho de 2012 na embaixada do Equador para evitar ser levado para a Suécia, país que reclama a sua extradição para esclarecer uma suposta implicação em quatro crimes de natureza sexual que o jornalista rejeita.

O Wikileaks indicou no mês passado que Assange concordaria ser extraditado para os Estados Unidos se o então presidente, Barak Obama, perdoasse Chelsea Manning, condenada em agosto de 2013 por espionagem por revelar àquele portal documentos militares e diplomáticos secretos norte-americanos.

Antes de deixar o poder, Obama aceitou comutar de 35 para sete anos de cadeia a pena de Manning, permitindo que possa sair em liberdade no próximo dia 17 de maio.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14