sicnot

Perfil

Mundo

Fillon pede desculpa por ter empregado a mulher e os filhos

Fillon pede desculpa por ter empregado a mulher e os filhos

O candidato da direita francesa às presidenciais pode vir a ser acusado de financiamento ilegal de campanha eleitoral e tráfico de influências. Numa conferência de imprensa, François Fillon pediu desculpa aos franceses por ter empregado a mulher e os filhos mas diz que não tem nada a esconder, reafirmando que os 830 mil euros pagos à esposa estão justificados.

  • Fillon não tem "nada a esconder"
    0:32

    Mundo

    François Fillon diz que não tem nada a esconder. O candidato do centro-direita às eleições presidenciais francesas mantém a candidatura. Isto aconteceu depois das autoridades judiciais estarem a investigar a suspeita de utilização de dinheiros públicos na contratação da mulher.

  • Polícia francesa faz buscas no âmbito do caso de Fillon
    2:20

    Mundo

    A polícia francesa fez esta terça-feira buscas no Parlamento, em Paris, no âmbito de um inquérito que envolve o candidato da direita às presidenciais. François Fillon está a ser investigado pela Justiça, por suspeitas de pagamentos indevidos à própria mulher e aos filhos.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.