sicnot

Perfil

Mundo

Guerrilha na Colômbia liberta refém em vésperas de negociações de paz

O Exército de Libertação Nacional (ELN), a última guerrilha ativa na Colômbia, libertou hoje um refém, numa demonstração de boa vontade na véspera de conversações de paz para terminar o conflito de 53 anos, anunciou a Cruz Vermelha.

"Fredy Moreno Mahecha, um soldado que estava detido pelo Exército de Libertação Nacional, foi entregue hoje numa zona rural na região de Arauca [no leste da Colômbia] a um grupo de delegados do Comité Internacional da Cruz Vermelha", disse a organização humanitária, num comunicado.

A ação dá um novo impulso à demanda do Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, para alcançar a "paz completa" na Colômbia, depois de ter alcançado um acordo histórico, no ano passado, com o grupo rebelde mais antigo do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Mais de 260 mil pessoas morreram e 60 mil desapareceram devido ao conflito na Colômbia, que se arrasta desde o período da Guerra Fria, e é o maior conflito armado no continente americano.

O responsável da Cruz Vermelha na Colômbia, Christoph Harnisch, mostrou-se confiante que a libertação do refém vai "reforçar a confiança" entre o ELN e o Governo.

"O ELN cumpriu a sua palavra", anunciou o grupo rebelde na rede social Twitter, acrescentando: "O soldado capturado em Arauca, quando estava a realizar operações de inteligência, foi libertado".

O ELN tinha capturado Moreno há duas semanas, lançando dúvidas sobre o processo de paz, que deverá começar esta terça-feira na capital do Equador, Quito.

No entanto, na quinta-feira passada houve uma troca de prisioneiros, com o ELN a entregar o seu refém mais prestigiado, o antigo deputado Odin Sanchez, em troca de dois rebeldes que estavam presos.

O ELN, uma guerrilha de esquerda inspirada na revolução cubana, tem cerca de 1.500 militantes.As conversações de paz decorrem após três anos de negociações preliminares secretas.

Lusa


  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46