sicnot

Perfil

Mundo

Monge budista escondia 4 milhões de comprimidos de metanfetamina no mosteiro

© Olivia Harris / Reuters

Um monge budista birmanês foi detido no domingo porque tinha no carro 400 mil comprimidos de metanfetamina. Mas a polícia quis ir mais longe na investigação e fez uma busca ao mosteiro, descobrindo objetos pouco religiosos na cela do monge.

Eram 4,2 milhões de comprimidos da droga sintética cuidadosamente escondidos na cela do mosteiro em Maungdaw, no noroeste de Myanmar, antiga Birmânia, anunciou a polícia esta segunda-feira. No total, foram apreendidos 4,6 milhões de comprimidos.

Segundo os media locais, este homem é o primeiro monge a ser detido por posse de droga neste país, placa giratória de tráfico de droga naquele lado do mundo. Não será no entanto o único a fazer tráfico de droga.

Só no ano passado foram interceptados 98 milhões de comprimidos de metanfetamina contra os 50 milhões apreendidos em 2015.

A região do "Triângulo Dourado" - que compreende o Laos, a Tailândia e Myanmar - era o principal local de produção de ópio e de heroína, destronado mais tarde pelo Afeganistão.

As apreensões de metanfetaminas na Ásia-Pacífico quadruplicaram em cinco anos e a ONU tem dados que confirmam que as drogas sintéticas têm cada vez mais utilizadores nesta região.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.