sicnot

Perfil

Mundo

"Putin é um assassino", diz jornalista. "E o nosso país é assim tão inocente?", questiona Trump

O Kremlin exige um pedido de desculpa por parte da cadeia de televisão norte-americana Fox News pelos comentários "inaceitáveis" que fez sobre o Presidente russo. Durante uma entrevista a Donald Trump, o jornalista qualificou Vladimir Putin de "assassino".

Na entrevista, difundida no domingo, o jornalista Bill O'Reilly pressionava Donald Trump a explicar as razões porque respeita o homólogo russo.

"Putin é um assassino", declarou o jornalista Bill O'Reilly. Ao que Trump respondeu: "Há muitos assassinos. Acha que o nosso país é assim tão inocente?".

Estas duas frases estão agora a incendiar os dois lados do Atlântico.

"Consideramos que tais declarações da parte do jornalista da Fox News são inadmissíveis e insultuosas e, honestamente, preferíamos que esta respeitável cadeia de televisão apresentasse as suas desculpas ao Presidente" Putin, declarou aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Em Washington, as palavras de Trump irritaram os congressistas republicanos, que dizem que não há comparação possível entre o comportamento dos políticos russos e dos norte-americanos. A vontade de Trump de estabelecer boas relações com Moscovo suscita preocupações em Washington.

Vladimir Putin domina a política russa há 17 anos, umas vezes Presidente, outras primeiro-ministro. Os opositores acusam-no de mandar executar os seus críticos. Em janeiro de 2016, um juiz britânico disse que Putin tinha "provavelmente" autorizado o assassínio do antigo agente do KGB Alexander Litvinenko em Londres.

Ainda antes de ser eleito Presidente do EUA, Trump foi questionado pela Fox News sobre estas acusações, respondendo que não havia provas de que Putin fosse culpado.

"Primeiro que tudo, ele [Putin] diz que não o fez. Muitas pessoas dizem que não foi ele. Por isso, quem sabe quem o fez?", concluiu Trump.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.