sicnot

Perfil

Mundo

Contracetivo masculino em gel passa o teste do macaco

© Kiyoshi Ota / Reuters

Durante uma experiência de mais de um ano com um novo gel contracetivo, nenhum macaco foi pai, garantem os cientistas.

O gel funciona como uma barreira que impede os espermatozoides de passar pelas vias genitais. A empresa que fabrica o Vasalgel garante que a experiência de quase dois anos, publicada na revista Basic and Clinical Andrology, mostrou que o gel é eficaz e seguro - pelo menos em macacos. Aguarda agora autorização para iniciar testes em seres humanos.

A injeção com o gel é feita uma vez e garante eficácia durante pelo menos um ano. Os efeitos são assim reversíveis caso o homem queira de facto ter filhos.

Os cientistas da Universidade da Califórnia testaram o gel em 16 macacos rhesus adultos, 10 dos quais já tinham sido pais. Depois da injeção e de uma semana sob observação, os machos foram colocados ao pé de fêmeas férteis. Vários acasalamentos aconteceram mas nenhuma das fêmeas ficou grávida.

Os macacos continuam a ser monitorizados e, em sete deles, foi observado que os efeitos do Vasalgel passaram e a produção de espermatozoides voltou ao normal - no entanto estes resultados não foram ainda oficialmente publicados.

Os macacos rhesus são fisicamente muito semelhantes aos humanos, o seu organismos responde de forma quase igual a novos medicamentos e tratamentos, pelo que os resultados deste estudo são promissores.

Uma experiência anterior com coelhos também obteve bons resultados, revelou em março de 2016 a companhia que está por trás do Vasalgel, a Fundação Parsemus.

Há no entanto que ressalvar que ambas as experiências foram feitas com grupos pequenos de animais e que este tipo de contracetivo não protege contra doenças sexualmente transmissíveis como o VIH.

A Fundação Parsemus aguarda autorização das autoridades norte-americanas para iniciar testes em seres humanos e espera conseguir comercializar o Vasagel em 2018.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.