sicnot

Perfil

Mundo

Criança morre após correr "vários quilómetros" como castigo por ter molhado a cama

Facebook Shpetim Xhafa

Um menino de cinco anos terá sido morto pelo padrasto, depois de ter corrido alegadamente "vários quilómetros" como castigo por ter urinado na cama. O corpo de Yanis foi encontrado perto da sua casa em Aire-sur-la-Lys, em França, envergando apenas a roupa interior.

O menino foi encontrado com o nariz partido e as autoridades acreditam que morreu de paragem cardiorrespiratória. O caso aconteceu no norte de França, depois do menino alegadamente ser obrigada a correr no meio da noite de domingo.

A tia de Yanis recorreu ao Facebook para homenagear a criança. "Descansa em paz, meu amor", escreveu Shpetim Xhafa.

A mãe da criança, de 22 anos, e o padrasto, de 30 anos, foram detidos e estão a ser interrogados sobre as alegações feitas que o menino foi abusado fisicamente. As autoridades francesas estão a trabalhar na teoria de que Yanis foi castigado pelos seus pais por ter urinado na cama.

Terá sido o casal a chamar a ambulância, depois de encontrar a criança de cinco anos inconsciente a quase 200 metros de casa.

O advogado do Ministério Público afirmou ao Daily Mail que a criança foi "obrigada a correr uma distância de vários quilómetros ao longo do rio La Lys". "As condições da sua morte levaram-nos a colocar os pais sob custódia por suspeitas de violência que causaram a sua morte", disse Patrick Leleu.

Um porta-voz da polícia disse ao jornal Le Parisien que "a investigação irá determinar se a criança morreu de frio, se isto é o resultado de uma queda, ou um caso de abuso".

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.