sicnot

Perfil

Mundo

Dinamarca quer que UE apoie organizações afetadas por medida contra aborto de Trump

A Dinamarca propôs hoje que a União Europeia (UE) reúna fundos para apoiar as organizações internacionais que realizam abortos ou dão informação sobre essa opção, na sequência da interdição de Donald Trump ao financiamento de ONG internacionais que apoiam o aborto.

Três dias depois de ter tomado posse, Trump reintroduziu nos Estados Unidos a proibição de financiamento público de organizações internacionais que realizam abortos ou dão informação sobre o processo de interrupção voluntária da gravidez.

A ministra para a Ajuda ao Desenvolvimento dinamarquesa, Ulla Toernaes, disse hoje que é precisa "uma aliança de países europeus com interesses semelhantes" e apelou à UE para apoiar estas organizações afetadas pela medida legislativa da administração Trump.

Nesse sentido, a ministra anunciou que a Dinamarca (Estado-membro da UE desde 1973) vai avançar com um montante extra de 75 milhões de coroas dinamarquesas (cerca de 11 milhões de dólares ou 10,3 milhões de euros) para apoiar tais organizações.

"Esperamos poder reduzir o número de gravidezes não desejadas, de abortos inseguros e de mortes relacionadas com a gravidez e o parto", referiu Ulla Toernaes, citada pela agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP).

Não foram divulgados até ao momento os países eventualmente associados a esta proposta dinamarquesa.

Também não foi clarificado se este apelo vai ao encontro de uma recente proposta do governo da Holanda que, no mês passado, anunciou a criação de um fundo internacional para financiar o acesso ao controlo de natalidade, aborto e educação sexual para mulheres em países em desenvolvimento.

No site, o governo da Holanda afirma: "Não podemos desiludir as mulheres e as raparigas. Elas devem ter o direito de decidir se querem ter filhos, quando querem ter filhos e com quem querem ter filhos".

Na altura, o executivo holandês afirmou que a decisão de Donald Trump deixa um vazio de 600 milhões de euros de apoio financeiro e defendeu que é preciso colmatar tal falha com donativos de cidadãos anónimos, de empresas, organizações ou outras entidades governamentais.

Nessa ocasião, o Canadá fez saber que pretendia contribuir financeiramente para este fundo.

Trump assinou o diploma contra o aborto um dia após o aniversário, a 22 de janeiro, da decisão de 1973 do Supremo Tribunal Roe vs. Wade, que legalizou o aborto nos Estados Unidos.

A ordem executiva de Trump também proíbe o financiamento, com o dinheiro dos contribuintes, de grupos de pressão que pretendem legalizar o aborto ou promovê-lo como método de planeamento familiar.

Esta disposição legal sobre o aborto tem estado no centro de uma espécie de 'ping-pong' político nos Estados Unidos durante as últimas três décadas, tendo sido imposta pelos governos republicanos e revogada pelos democratas desde 1984.

Mais recentemente, foi o antecessor de Trump, Barack Obama, quem pôs fim à proibição em 2009.

De acordo com a associação Marie Stopes, a proibição de financiamento nos Estados Unidos vai resultar no aparecimento de cerca de 6,5 milhões de gravidezes indesejadas e 2,2 milhões de abortos sem condições.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.