sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que legalização de colonatos ultrapassa "importante linha vermelha"

Construção no colonato judeu de Maale Adumim, na Cisjordânia ocupada por Israel.

© Ammar Awad / Reuters

A nova lei israelita que legaliza colonatos em terras privadas palestinianas ultrapassou uma "importante linha vermelha" que pode abrir caminho a uma anexação da Cisjordânia ocupada, disse hoje o enviado da ONU.

O parlamento israelita aprovou na segunda-feira, com 60 votos a favor e 52 contra, uma lei que permite a Israel apropriar-se de centenas de hectares de terras palestinianas na Cisjordânia ocupada, uma legislação que os palestinianos consideraram "legalizar expropriações".

A lei, a mais recente de uma série de medidas favorecendo a colonização, já foi duramente criticada por responsáveis palestinianos, por parte da comunidade internacional e por organizações não-governamentais, podendo ainda ser travada pelo Supremo Tribunal.

Para o enviado da ONU para o processo de paz israelo-palestiniano, Nickolay Mladenov, a lei estabelece "um precedente muito perigoso".

"É a primeira vez que o Knesset [parlamento israelita] legisla em terras palestinianas ocupadas e particularmente em questões de propriedade. Isso ultrapassa uma linha vermelha importante", disse.

" [A lei] abre a possibilidade de uma anexação total da Cisjordânia e, como tal, compromete substancialmente a solução de dois Estados", acrescentou Mladenov.
O enviado especial referiu também que a lei pode levar a um julgamento de Israel ao Tribunal Penal Internacional, risco para o qual advertiu o Procurador-Geral de Israel.

A nova lei permite que Israel se aproprie de terras privadas palestinianas onde foram construídos colonatos israelitas por desconhecimento de que se tratava de propriedade privada.

Os proprietários palestinianos serão, segundo o texto legal, compensados financeiramente ou com outras propriedades, mesmo que não queiram abdicar das suas propriedades.

Mladenov pediu à comunidade internacional que condene a legislação nos termos mais fortes, mas escusou-se a criticar os Estados Unidos, depois de o Presidente, Donald Trump, ter recusado comentar.

"Penso que foi uma declaração muito preliminar", disse Mladenov, acrescentando: "Obviamente precisam de fazer consultas, é uma nova administração, que acabou de iniciar funções, e deve ter o tempo e o espaço para definir as suas políticas".

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33