sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que legalização de colonatos ultrapassa "importante linha vermelha"

Construção no colonato judeu de Maale Adumim, na Cisjordânia ocupada por Israel.

© Ammar Awad / Reuters

A nova lei israelita que legaliza colonatos em terras privadas palestinianas ultrapassou uma "importante linha vermelha" que pode abrir caminho a uma anexação da Cisjordânia ocupada, disse hoje o enviado da ONU.

O parlamento israelita aprovou na segunda-feira, com 60 votos a favor e 52 contra, uma lei que permite a Israel apropriar-se de centenas de hectares de terras palestinianas na Cisjordânia ocupada, uma legislação que os palestinianos consideraram "legalizar expropriações".

A lei, a mais recente de uma série de medidas favorecendo a colonização, já foi duramente criticada por responsáveis palestinianos, por parte da comunidade internacional e por organizações não-governamentais, podendo ainda ser travada pelo Supremo Tribunal.

Para o enviado da ONU para o processo de paz israelo-palestiniano, Nickolay Mladenov, a lei estabelece "um precedente muito perigoso".

"É a primeira vez que o Knesset [parlamento israelita] legisla em terras palestinianas ocupadas e particularmente em questões de propriedade. Isso ultrapassa uma linha vermelha importante", disse.

" [A lei] abre a possibilidade de uma anexação total da Cisjordânia e, como tal, compromete substancialmente a solução de dois Estados", acrescentou Mladenov.
O enviado especial referiu também que a lei pode levar a um julgamento de Israel ao Tribunal Penal Internacional, risco para o qual advertiu o Procurador-Geral de Israel.

A nova lei permite que Israel se aproprie de terras privadas palestinianas onde foram construídos colonatos israelitas por desconhecimento de que se tratava de propriedade privada.

Os proprietários palestinianos serão, segundo o texto legal, compensados financeiramente ou com outras propriedades, mesmo que não queiram abdicar das suas propriedades.

Mladenov pediu à comunidade internacional que condene a legislação nos termos mais fortes, mas escusou-se a criticar os Estados Unidos, depois de o Presidente, Donald Trump, ter recusado comentar.

"Penso que foi uma declaração muito preliminar", disse Mladenov, acrescentando: "Obviamente precisam de fazer consultas, é uma nova administração, que acabou de iniciar funções, e deve ter o tempo e o espaço para definir as suas políticas".

Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.