sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que legalização de colonatos ultrapassa "importante linha vermelha"

Construção no colonato judeu de Maale Adumim, na Cisjordânia ocupada por Israel.

© Ammar Awad / Reuters

A nova lei israelita que legaliza colonatos em terras privadas palestinianas ultrapassou uma "importante linha vermelha" que pode abrir caminho a uma anexação da Cisjordânia ocupada, disse hoje o enviado da ONU.

O parlamento israelita aprovou na segunda-feira, com 60 votos a favor e 52 contra, uma lei que permite a Israel apropriar-se de centenas de hectares de terras palestinianas na Cisjordânia ocupada, uma legislação que os palestinianos consideraram "legalizar expropriações".

A lei, a mais recente de uma série de medidas favorecendo a colonização, já foi duramente criticada por responsáveis palestinianos, por parte da comunidade internacional e por organizações não-governamentais, podendo ainda ser travada pelo Supremo Tribunal.

Para o enviado da ONU para o processo de paz israelo-palestiniano, Nickolay Mladenov, a lei estabelece "um precedente muito perigoso".

"É a primeira vez que o Knesset [parlamento israelita] legisla em terras palestinianas ocupadas e particularmente em questões de propriedade. Isso ultrapassa uma linha vermelha importante", disse.

" [A lei] abre a possibilidade de uma anexação total da Cisjordânia e, como tal, compromete substancialmente a solução de dois Estados", acrescentou Mladenov.
O enviado especial referiu também que a lei pode levar a um julgamento de Israel ao Tribunal Penal Internacional, risco para o qual advertiu o Procurador-Geral de Israel.

A nova lei permite que Israel se aproprie de terras privadas palestinianas onde foram construídos colonatos israelitas por desconhecimento de que se tratava de propriedade privada.

Os proprietários palestinianos serão, segundo o texto legal, compensados financeiramente ou com outras propriedades, mesmo que não queiram abdicar das suas propriedades.

Mladenov pediu à comunidade internacional que condene a legislação nos termos mais fortes, mas escusou-se a criticar os Estados Unidos, depois de o Presidente, Donald Trump, ter recusado comentar.

"Penso que foi uma declaração muito preliminar", disse Mladenov, acrescentando: "Obviamente precisam de fazer consultas, é uma nova administração, que acabou de iniciar funções, e deve ter o tempo e o espaço para definir as suas políticas".

Lusa

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.

  • Estados Unidos vão reforçar as sanções à Coreia do Norte
    1:31

    Mundo

    Washington pretende também investir nos esforços diplomáticos para que Pyongyang ponha fim aos programas nucleares e de mísseis. A nova estratégia de Donald Trump foi anunciada quarta-feira à noite. A força aérea norte-americana testou esta quarta-feira um míssil de longo-alcance que percorreu 6800 quilómetros sobre o Pacífico a partir de uma base na Califórnia.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.