sicnot

Perfil

Mundo

Presidente do Haiti toma posse após crise eleitoral de quase dois anos

© Andres Martinez Casares / Reu

Jovenel Moise tomou posse esta terça-feira como Presidente do Haiti, após uma crise eleitoral de quase dois anos que paralisou a vida política do país, e vai enfrentar uma economia em dificuldades e uma sociedade dividida.

O empresário, de 48 anos, inicia a sua carreira política num dos mais altos cargos da nação, tornando-se o 58.º Presidente do país mais pobre das Caraíbas.

Jovenel Moise entrou na cena política em 2015 impulsionado por Michel Martelly, eleito Presidente em 2011.

O novo Presidente venceu a primeira volta das Presidenciais em outubro de 2015, mas devido a contestação e fraudes em massa a votação foi anulada.

Foi eleito chefe de Estado em novembro de 2016, depois do escrutínio ter sido reprogramado após a passagem do furacão Matthew pela ilha, tendo a Presidência sido assegurada interinamente pelo presidente do Senado, Jocelerme Privert.

Moise pretende apostar na agricultura para relançar a economia. O Haiti tem uma dívida de dois mil milhões de dólares (1.871 milhões de euros) e o crescimento não deve ultrapassar 1% em 2017.

O Presidente anunciou ter convidado para a tomada de posse os outros 53 candidatos às presidenciais como sinal da sua vontade de apaziguar o clima político, mas a sua vitória à primeira volta continua a ser contestada pelos seus principais rivais.

Moise foi declarado vencedor com 55% dos votos, mas apenas 21% dos eleitores votaram no passado dia 20 de novembro.

Além disso, persistem dúvidas em relação a Moise sobre um possível caso de branqueamento de dinheiro.

O procurador-geral tem em mãos um relatório sobre o caso, podendo decidir não processar, pedir novas investigações ou acusar o presidente.

Por outro lado, a administração de Moise beneficiará de uma maioria no parlamento e prevê-se que o Presidente nomeie o seu primeiro-ministro nos próximos dias.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.