sicnot

Perfil

Mundo

Presidente do Haiti toma posse após crise eleitoral de quase dois anos

© Andres Martinez Casares / Reu

Jovenel Moise tomou posse esta terça-feira como Presidente do Haiti, após uma crise eleitoral de quase dois anos que paralisou a vida política do país, e vai enfrentar uma economia em dificuldades e uma sociedade dividida.

O empresário, de 48 anos, inicia a sua carreira política num dos mais altos cargos da nação, tornando-se o 58.º Presidente do país mais pobre das Caraíbas.

Jovenel Moise entrou na cena política em 2015 impulsionado por Michel Martelly, eleito Presidente em 2011.

O novo Presidente venceu a primeira volta das Presidenciais em outubro de 2015, mas devido a contestação e fraudes em massa a votação foi anulada.

Foi eleito chefe de Estado em novembro de 2016, depois do escrutínio ter sido reprogramado após a passagem do furacão Matthew pela ilha, tendo a Presidência sido assegurada interinamente pelo presidente do Senado, Jocelerme Privert.

Moise pretende apostar na agricultura para relançar a economia. O Haiti tem uma dívida de dois mil milhões de dólares (1.871 milhões de euros) e o crescimento não deve ultrapassar 1% em 2017.

O Presidente anunciou ter convidado para a tomada de posse os outros 53 candidatos às presidenciais como sinal da sua vontade de apaziguar o clima político, mas a sua vitória à primeira volta continua a ser contestada pelos seus principais rivais.

Moise foi declarado vencedor com 55% dos votos, mas apenas 21% dos eleitores votaram no passado dia 20 de novembro.

Além disso, persistem dúvidas em relação a Moise sobre um possível caso de branqueamento de dinheiro.

O procurador-geral tem em mãos um relatório sobre o caso, podendo decidir não processar, pedir novas investigações ou acusar o presidente.

Por outro lado, a administração de Moise beneficiará de uma maioria no parlamento e prevê-se que o Presidente nomeie o seu primeiro-ministro nos próximos dias.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.