sicnot

Perfil

Mundo

Quem pedir visto para os EUA pode ter de entregar palavras-passe de redes sociais

© Pawel Kopczynski / Reuters

As embaixadas dos EUA podem vir a pedir as palavras-passe das contas das redes sociais das pessoas que lhes solicitarem um visto, para fazerem inspeções mais profundas, afirmou esta terça-feira o secretário da Segurança Interna, John Kelly.

Esta medida pretende reforçar os controlos prévios dos visitantes e eliminar os que poderiam constituir uma ameaça à segurança, o que Donald Trump qualificou de "verificação extrema".

Particularmente visados são os naturais dos sete países de maioria muçulmana -- Irão, Síria, Líbia, Iraque, Somália, Sudão e Iémen --, cujos processos de controlo são muito fracos, segundo Kelly.

A entrada dos provenientes destes países e de todos os refugiados foi interditada temporariamente em 27 de janeiro pelo Presidente Donald Trump num decreto contestado depois na justiça.

"Queremos ter a possibilidade de consultar as suas redes sociais, com as palavras-passe", declarou Kelly, durante uma audição perante a comissão da Câmara dos Representantes sobre a Segurança Interna.

"É muito difícil fazer controlos verdadeiros nestes países, nos sete países (...). Mas se vierem [para os EUA] , queremos poder dizer que sítios na internet visitam e que nos deem as suas palavras-passe para que saibamos o que fazem na internet", avançou.

John Kelly sublinhou que nenhuma decisão não tinha sido tomada ainda a este respeito, mas que estes controlos reforçados seriam certamente aplicados no futuro, mesmo que isto signifique prazos mais longos para a atribuição dos vistos.

"Se quiserem verdadeiramente vir para a América, vão cooperar. Senão, [que venha o] seguinte", concluiu.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.