sicnot

Perfil

Mundo

Sarkozy vai a julgamento por financiamento ilegal da campanha

© POOL New / Reuters

O antigo Presidente francês Nicolas Sarkozy vai ser julgado por suspeitas de financiamento ilegal da campanha eleitoral de 2012.

A convicção do Ministério Público é que Sarkozy terá excedido o limite de gastos com despesas de campanha utilizando, para tal, faturação falsa de uma empresas chamada Bygmalion.

Para além do antigo líder francês, outras 13 pessoas serão julgadas no mesmo caso, incluindo ex-dirigentes do partido. Todos são suspeitos de envolvimento no estabelecimento de um sistema de facturas falsas para financiar o partido.

Sarkozy, que anunciou o fim da sua carreira política em novembro, é acusado de ter conhecimento de que o seu partido teria excedido o limite de gastos permitido por lei, fixado em 22,5 milhões de euros.

De acordo com a fonte citada pela agência France Presse, um dos dois juízes de instrução envolvidos do caso, Serge Tournaire, decidiu no passado dia 3 de fevereiro que o caso deveria ser julgado em tribunal, não obstante os esforços legais de Sarkozy para tentar evitar o julgamento em dezembro último.

A Bygmalion faturou alegadamente 18.5 milhões de euros ao partido de Sarkozy - que na altura se chamava UMP -- União para um Movimento Popular, e desde então alterou o nome para Os Republicanos - em vez de faturar os seus serviços à campanha do então Presidente.

Gestores da empresa reconheceram a existência de fraude e de contabilidade falsa e o julgamento irá focar-se sobre se Sarkozy, ele próprio, tinha conhecimento ou tomou quaisquer decisões sobre o assunto.

Questionado pela polícia em 2015, Sarkozy disse que não se lembrava de alguma vez ter sido alertado para as contas da campanha e descreveu a controvérsia como uma "farsa", atribuindo responsabilidades à Bigmalyon e ao UMP.

Sarkozy viu-se envolvido em várias frentes legais desde que perdeu as eleições para François Hollande em 2012. Depois de uma breve retirada da política a seguir a essa derrota, Sarkozy regressou para assumir a liderança de Os Republicanos e foi com surpresa que o partido o preteriu nas primárias para as eleições presidenciais de abril e maio próximos, escolhendo em novembro último o atual líder em todas as sondagens, François Fillon.

Após o ex-Presidente Jacques Chirac (1995-2007), condenado em 2011 a pena suspensa de dois anos num caso de corrupção, esta é a segunda vez desde 1958 que um ex-chefe o Estado irá a julgamento em França.

Com Lusa

  • Encontrado corpo da criança que desapareceu na praia de São Torpes
    0:55

    País

    O corpo da criança que tinha desaparecido na praia São Torpes, concelho de Sines, foi encontrado esta manhã fora de água, nas rochas, a 1,5 quilómetros do sítio onde tinha desaparecido, no passado dia 21. O alerta foi dado por um popular à Polícia Marítima, cerca das 8h00.

  • Não há aumentos salariais no Estado para o ano
    1:18

    Economia

    O ministro das Finanças confirma a alteração dos escalões de IRS em 2018. É uma das medidas prioritárias para o próximo ano, a par do descongelamento das carreiras na função pública. Numa entrevista à Antena 1, Mário Centeno admite que não vai haver aumentos salariais no Estado no próximo ano

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00
  • Marcelo diz que Europa não deve contar com benevolência dos aliados 
    1:19

    País

    O Presidente da República concorda com Angela Merkel, que este domingo defendeu que a Europa já não pode confiar a 100% nos países aliados. Numa conferência sobre o futuro da Europa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a União Europeia tem de assumir responsabilidades e protagonismo e não pode contar com a iniciativa e a benevolência dos aliados.

  • Merkel sugere que a Europa já não pode contar com aliados como os EUA
    1:45

    Mundo

    Depois das cimeiras do G7 e da NATO,e sem nunca mencionar Donald Trump, a chanceler alemã diz que é tempo de cada país tomar conta do próprio destino. As declarações de Angela Merkel foram feitas em Munique numa ação de campanha da CDU e evidenciam incómodo em relação às posições manifestadas pelos EUA.