sicnot

Perfil

Mundo

Sarkozy vai a julgamento por financiamento ilegal da campanha

© POOL New / Reuters

O antigo Presidente francês Nicolas Sarkozy vai ser julgado por suspeitas de financiamento ilegal da campanha eleitoral de 2012.

A convicção do Ministério Público é que Sarkozy terá excedido o limite de gastos com despesas de campanha utilizando, para tal, faturação falsa de uma empresas chamada Bygmalion.

Para além do antigo líder francês, outras 13 pessoas serão julgadas no mesmo caso, incluindo ex-dirigentes do partido. Todos são suspeitos de envolvimento no estabelecimento de um sistema de facturas falsas para financiar o partido.

Sarkozy, que anunciou o fim da sua carreira política em novembro, é acusado de ter conhecimento de que o seu partido teria excedido o limite de gastos permitido por lei, fixado em 22,5 milhões de euros.

De acordo com a fonte citada pela agência France Presse, um dos dois juízes de instrução envolvidos do caso, Serge Tournaire, decidiu no passado dia 3 de fevereiro que o caso deveria ser julgado em tribunal, não obstante os esforços legais de Sarkozy para tentar evitar o julgamento em dezembro último.

A Bygmalion faturou alegadamente 18.5 milhões de euros ao partido de Sarkozy - que na altura se chamava UMP -- União para um Movimento Popular, e desde então alterou o nome para Os Republicanos - em vez de faturar os seus serviços à campanha do então Presidente.

Gestores da empresa reconheceram a existência de fraude e de contabilidade falsa e o julgamento irá focar-se sobre se Sarkozy, ele próprio, tinha conhecimento ou tomou quaisquer decisões sobre o assunto.

Questionado pela polícia em 2015, Sarkozy disse que não se lembrava de alguma vez ter sido alertado para as contas da campanha e descreveu a controvérsia como uma "farsa", atribuindo responsabilidades à Bigmalyon e ao UMP.

Sarkozy viu-se envolvido em várias frentes legais desde que perdeu as eleições para François Hollande em 2012. Depois de uma breve retirada da política a seguir a essa derrota, Sarkozy regressou para assumir a liderança de Os Republicanos e foi com surpresa que o partido o preteriu nas primárias para as eleições presidenciais de abril e maio próximos, escolhendo em novembro último o atual líder em todas as sondagens, François Fillon.

Após o ex-Presidente Jacques Chirac (1995-2007), condenado em 2011 a pena suspensa de dois anos num caso de corrupção, esta é a segunda vez desde 1958 que um ex-chefe o Estado irá a julgamento em França.

Com Lusa

  • Arderam mais duas casas em Mação

    País

    O presidente da Câmara de Mação, distrito de Santarém, disse esta quarta-feira que durante a tarde arderam duas casas em aldeias do concelho e que as chamas que lavram desde domingo estão longe de estar controladas.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Sócrates diz que Direita quis impedi-lo de candidatura presidencial

    País

    O ex-primeiro-ministro José Sócrates reiterou esta quarta-feira, em declarações aos correspondentes estrangeiros em Portugal, que o processo judicial em que está envolvido resulta de uma campanha orquestrada pela direita para evitar a sua candidatura a Presidente da República.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Dia dos Avós nasceu em Penafiel
    1:48

    País

    O Dia dos Avós, que hoje se assinala, nasceu por iniciativa de uma habitante de Penafiel. A data foi celebrada no parque da cidade, com centenas de avós.

  • Trump proíbe transgéneros no exército norte-americano

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quarta-feira que as pessoas transgénero não podem servir no exército dos Estados Unidos, justificando a decisão com os "custos médicos enormes" e as perturbações que tal situação envolve.

  • Oposição tenta travar eleição da nova Assembleia Constituinte na Venezuela
    2:14