sicnot

Perfil

Mundo

Suspeito de ataque no Louvre confirma identidade à polícia

O homem que na sexta-feira atacou um grupo de militares com duas catanas no Museu do Louvre, em Paris, confirmou à polícia ser Abdallah El Hamahmy, egípcio, de 29 anos, como suspeitavam as autoridades, disseram fontes judiciais.

Depois de dois dias em que recusou falar, o jovem, ainda internado no hospital, deu aos agentes a "sua primeira versão dos factos", segundo as fontes, que não deram pormenores.

El Hamahmy, que depois de ferir ligeiramente um dos soldados foi baleado no abdómen, está desde sexta-feira internado no hospital Georges Pompidou, em Paris, a recuperar de uma cirurgia de emergência a que foi submetido.

O egípcio está formalmente detido desde sábado, o que, segundo a legislação antiterrorista francesa, dá à justiça um prazo de 96 horas, ou seja, até quarta-feira, para o apresentar a um juiz.

A polícia já suspeitava tratar-se de El Hamahmy, a partir da análise do telemóvel e outros objetos pessoais.
Abdallah El Hamahmy, residente nos Emirados Árabes Unidos, viajou para França a 26 de janeiro com um visto turístico e instalou-se num apartamento caro perto dos Campos Elísios.

Fontes próximas do inquérito disseram que o apartamento tinha uma renda de 1.700 euros e foi reservado por Hamahmy em junho, meses antes de pedir o visto, em outubro.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras