sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 2.500 pessoas assassinadas em janeiro na Venezuela

Marcos Borga

Quase 2.500 pessoas foram assassinadas durante o mês de janeiro na Venezuela, segundo dados do Observatório Venezuelano de Violência (OVV), organização não-governamental que insiste na necessidade de o Estado tomar medidas para travar a criminalidade violenta.

"Isto representa uma média de 80 mortes violentas por dia, o que indica um aumento em relação ao ano anterior quando a média foi de 78", disse o presidente do OVV, Roberto Briceño León, aos jornalistas, em Caracas.

"Não estão incluídas as mortes naturais, as causadas por acidentes, nem suicídios", frisou.

Segundo o mesmo responsável, os dados foram recolhidos por uma equipa de investigadores das universidades Central da Venezuela, Católica Andrés Bello, de Oriente, Católica de Táchira, Centro Ocidental Lisandro Alvarado e de Los Andes.

Roberto Briceño León afirmou que da parte do Governo tem havido sistematicamente "uma conjuntura eleitoral, um momento político, uma situação difícil" que levou a que "as políticas de segurança tenham sido populistas, para se manter no poder, para ganhar eleições, e não tem havido uma intenção real de devolver segurança aos cidadãos".

"Temos já 12 anos de censura oficial sobre os números da violência. O último dado formal completo foi do ano de 2003", frisou, lamentando o silêncio das autoridades sobre a questão.O OVV alerta que a Venezuela "é o país mais violento do mundo" e que ocorrem "28.000 mortes violentas por ano", entre as que são legalmente reconhecidas e também as "que os polícias ou militares matam em operações legais ou extrajudiciais e as que ficam numa situação confusa".

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.