sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 2.500 pessoas assassinadas em janeiro na Venezuela

Marcos Borga

Quase 2.500 pessoas foram assassinadas durante o mês de janeiro na Venezuela, segundo dados do Observatório Venezuelano de Violência (OVV), organização não-governamental que insiste na necessidade de o Estado tomar medidas para travar a criminalidade violenta.

"Isto representa uma média de 80 mortes violentas por dia, o que indica um aumento em relação ao ano anterior quando a média foi de 78", disse o presidente do OVV, Roberto Briceño León, aos jornalistas, em Caracas.

"Não estão incluídas as mortes naturais, as causadas por acidentes, nem suicídios", frisou.

Segundo o mesmo responsável, os dados foram recolhidos por uma equipa de investigadores das universidades Central da Venezuela, Católica Andrés Bello, de Oriente, Católica de Táchira, Centro Ocidental Lisandro Alvarado e de Los Andes.

Roberto Briceño León afirmou que da parte do Governo tem havido sistematicamente "uma conjuntura eleitoral, um momento político, uma situação difícil" que levou a que "as políticas de segurança tenham sido populistas, para se manter no poder, para ganhar eleições, e não tem havido uma intenção real de devolver segurança aos cidadãos".

"Temos já 12 anos de censura oficial sobre os números da violência. O último dado formal completo foi do ano de 2003", frisou, lamentando o silêncio das autoridades sobre a questão.O OVV alerta que a Venezuela "é o país mais violento do mundo" e que ocorrem "28.000 mortes violentas por ano", entre as que são legalmente reconhecidas e também as "que os polícias ou militares matam em operações legais ou extrajudiciais e as que ficam numa situação confusa".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.