sicnot

Perfil

Mundo

Chumbada moção de censura contra o Governo da Roménia

Uma moção de censura contra o Governo social-democrata da Roménia foi hoje chumbada no parlamento, três dias depois da retirada do polémico decreto que despenalizava certos casos de corrupção e motivou os maiores protestos em décadas.

A moção, apresentada pela oposição de centro-direita, foi chumbada devido à maioria absoluta dos partidos no Governo, o Partido Social-Democrata (PSD) e a Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE), cujos deputados abandonaram o plenário para não votarem.

Para ser aprovada, a moção precisava de 233 votos favoráveis, mas ficou-se pelos 161 votos a favor e oito contra.

"Temos o dever, em face da confiança popular, de continuar a assumir o Governo deste país", afirmou o primeiro-ministro, Sorin Grindeanu, antes da votação.

"Mais do que o programa do Governo, não podemos ignorar os acontecimentos", acrescentou, referindo-se aos protestos, os maiores desde o fim do regime comunista, em 1989.

O decreto revogado previa a despenalização dos casos de corrupção envolvendo valores abaixo dos 44.000 euros, o que permitia a vários políticos escapar à justiça, como o atual líder do PSD, Liviu Dragnea, que foi impedido de se candidatar por ter sido condenado por fraude e estar a ser julgado por abuso de poder.Apesar de o decreto ter sido revogado no domingo, os protestos continuaram, com alguns dos manifestantes a exigir a demissão do Governo, no poder há pouco mais de um mês.

Os protestos criaram um conflito entre o Governo e o Presidente, Klaus Iohannis, que num discurso no parlamento na terça-feira sugeriu que o Governo devia demitir-se.

"A revogação do decreto e a possível demissão de um ministro não são suficientes. Convocar eleições antecipadas é demasiado", disse.

"Se o PSD, que criou esta crise, não conseguir resolvê-la imediatamente, chamarei todos os partidos para consultas. Ganharam. Venceram [as eleições] , agora governem e legislem, mas não a qualquer preço", advertiu o Presidente.

Lusa


  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.