sicnot

Perfil

Mundo

Diretor da CIA vai debater na Turquia tentativa de golpe de Estado no país

Diretor da CIA, Mike Pompeo.

© Jonathan Ernst / Reuters

O diretor da CIA, Mike Pompeo, vai visitar a Turquia na quinta-feira onde vai discutir com as autoridades de Ancara questões ligadas à segurança, incluindo a tentativa de golpe de Estado do ano passado, no país.

Trata-se da primeira visita de Mike Pompeo a um país estrangeiro desde que assumiu o cargo de diretor da CIA.


As autoridades turcas acusam Fetthullah Gullen, exilado nos Estados Unidos de ter orquestrado o golpe de Estado falhado, em 2016, e exige a extradição do líder religioso turco.


Segundo a Associated Press, a visita de Pompeo foi decidida depois de um contacto telefónico, de 45 minutos, entre o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e o chefe de Estado Turco, Recep Tayyip Erdogan, na terça-feira.


De acordo com fontes oficiais norte-americanas que pediram para não serem identificadas, o diretor dos serviços de informações dos Estados Unidos (CIA) vai também abordar com as autoridades turcas questões relacionadas com os curdos financiados pelos norte-americanos e que combatem na Síria.
Para o governo de Ancara, os combatentes curdos apoiados pelos Estados Unidos são considerados terroristas.


As ligações entre os países da Aliança Atlântica e a Turquia foram afetadas durante a administração Obama devido à relutância de Washington em relação à extradição de Gulen e pela manutenção do apoio aos grupos curdos que combatem extremistas islâmicos no norte da Síria.


Ancara já expressou que aguarda "mudanças" por parte dos Estados Unidos após a nomeação de Donald Trump como presidente.


As mesmas fontes disseram que a conversa telefónica entre Trump e Erdogan "foi positiva e decorreu num quadro de bom ambiente".


Os dois líderes reafirmaram a "forte aliança" entre os dois países e abordaram também a necessidade do estabelecimento de zonas de segurança na Síria, assuntos relacionados com refugiados e a luta contra grupos terroristas.


O presidente dos Estados Unidos exprimiu o desejo de fortalecer as ligações entre Washington e Ancara, assim como garantiu cooperação em assuntos regionais turcos.


Erdogan pediu a Washington para "apoiar a Turquia" na luta contra o movimento de Gulen acrescentando que os Estados Unidos devem deixar apoiar os grupos curdos na Síria.


De acordo com as fontes da Associated Press, Trump e Erdogan concordaram em coordenar esforços no sentido da captura dos bastiões do grupo extremista Estado Islâmico em Al-Bab e Raqqa, no norte da Síria.

Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.