sicnot

Perfil

Mundo

Incêndio em favela de Manila deixa 15.000 pessoas sem casa

Bullit Marquez

Cerca de 15.000 residentes de uma favela junto ao porto de Manila perderam as suas casas num incêndio que lavrou durante a noite até ser extinto na manhã desta quarta-feira, informaram as autoridades nas Filipinas.

Cerca de 1.000 casas foram destruídas no Parola Compound, onde normalmente várias famílias partilham pequenas habitações dispostas ao longo das ruas estreitas, informou o departamento dos bombeiros.

O responsável dos bombeiros Edilberto Cruz disse que sete pessoas sofreram ferimentos ligeiros no incêndio que deflagrou na noite de terça-feira e se propagou rapidamente.

As causas do incêndio estão sob investigação. A responsável da Segurança Social, Regina Jane Mata, afirmou que centros de abrigo foram abertos e que alimentos e água estavam a ser fornecidos a cerca de 3.000 famílias que perderam as suas casas.

Muitas pessoas estavam na estrada nas imediações com os seus pertences, incluindo roupas e mesmo eletrodomésticos como máquinas de lavar e ventoinhas.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46