sicnot

Perfil

Mundo

Malawi critica Madonna por adotar crianças em vez de ajudar as famílias

Madonna com Mercy James em 2010

© Mike Hutchings / Reuters

Organizações de caridade do Malawi criticam a adoção de duas gémeas por Madonna, autorizada ontem. Dizem que a cantora norte-americana devia ter "uma abordagem diferente ajudando as famílias" e não "dar a impressão de que o Malawi é um mercado de crianças pobres prontas a serem adotadas".

Na terça-feira, a juíza do tribunal de Lilongwe autorizou a cantora adotar duas gémeas de quatro anos, Esther e Stella, de um orfanato em Mchinji.

Madonna já tinha adotado do mesmpo orfanato um menino, David Banda, em 2006, e uma menina em 2009, Mercy James. Em 2006, a cantora norte-americana criou a fundação Raising Malawi, para cuidar de órfãos deste país e construir hospitais.

Madonna e o filho David Banda em Nova Iorque em novembro de 2016

Madonna e o filho David Banda em Nova Iorque em novembro de 2016

Greg Allen / AP

"Ela deveria ter uma abordagem diferente, ajudando as famílias pobres com crianças ao invés de as adotar", disse à Agência France Press Maxwell Matewere, diretor da organização não-governamental "Eye of the Child".

"A maioria das famílias adoraria criar os seus filhos em casa se tivessem apoio financeiro", acrescentou.

Para Ken Mhango, o diretor no Malawi da Rede Africana para a Proteção e a Prevenção de Abuso Infantil (ANPPCAN), a cantora dá "a impressão que no Malawi há um mercado de crianças pobres prontas para serem adotadas".

De acordo com a decisão da justiça, consultada hoje pela AFP, Madonna sentiu-se na "obrigação" de adotar as duas gémeas.

De acordo com a juíza Fiona Mwale, que concedeu a permissão de adoção, o trabalho de Madonna nos orfanatos fê-la sentir "obrigada a preencher o vazio na vida" das crianças e "abrir a sua casa".

Mercy e David (atrás) numa visita ao Malawi em julho de 2016

Mercy e David (atrás) numa visita ao Malawi em julho de 2016

Thoko Chikondi / AP

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),