sicnot

Perfil

Mundo

Novas escavações revelam que Manuscritos do Mar Morto foram saqueados

Escavações numa caverna a oeste de Qumram, na costa noroeste do Mar Morto, revelaram que os Manuscritos do Mar Morto do Segundo Templo estavam ali escondidos e foram saqueados por beduínos (povo nómada) em meados do século XX.

As escavações foram conduzidas por arqueólogos da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, que divulgou hoje os resultados.

Os Manuscritos do Mar Morto são uma coleção de rolos de textos e fragmentos de textos encontrados nas cavernas de Qumran, na Cisjordânia, nas décadas de 1940 e 1950, sendo considerados a versão mais antiga do texto bíblico. O período do Segundo Templo corresponde ao ano 516 a.C.

As escavações, as primeiras ao fim de mais de 60 anos, foram feitas numa nova caverna, que será numerada como '12' pelos arqueólogos.

Nela foram descobertos frascos partidos (onde eram guardados os rolos) e tampas do período do Segundo Templo, que estavam escondidos em cavidades ao longo das paredes e num túnel profundo, assim como um pano que embrulhava os rolos, uma corda que amarrava os manuscritos e um pedaço de couro trabalhado de um dos manuscritos.

Foi também encontrado, no túnel, um par de 'cabeças' em ferro de picaretas dos anos 1950, que, segundo os arqueólogos, prova que a caverna foi saqueada.

A descoberta de cerâmica, lascas de sílex e pontas de seta revela, ainda, que a caverna foi usada na pré-história, nos períodos Calcolítico e Neolítico.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite