sicnot

Perfil

Mundo

Advogados de candidato a Presidente francês Fillon exigem fim de "investigação ilegal"

Os advogados do candidato da direita às eleições presidenciais em França, François Fillon, anunciaram ter hoje pedido ao ministério público nacional financeiro que abandone a "investigação ilegal" sobre pagamentos à sua mulher em alegado emprego fictício.

A investigação a pagamentos provenientes de verbas parlamentares inflige "um duro golpe no princípio da separação dos poderes", declarou um dos advogados de Fillon, Antonin Lévy, em conferência de imprensa.

"O gabinete do ministério público financeiro não é competente para investigar esta matéria, o crime imputado a François Fillon é-lhe totalmente inaplicável" e, por conseguinte, "a investigação do ministério público torna-se ilegal", acrescentou.

O ex-primeiro-ministro e candidato ao Eliseu está no centro de uma polémica depois de o semanário satírico Le Canard Enchaîné ter noticiado, a 26 de janeiro, que quando era deputado, Fillon criou empregos fictícios de assessoria parlamentar para a mulher e dois filhos que lhes permitiram receber centenas de milhares de euros de fundos públicos.

Na segunda-feira, em conferência de imprensa, Fillon pediu perdão por ter empregado a mulher e os filhos, mas negou tratar-se de empregos fictícios e assegurou que mereceram o salário que receberam, inferior, disse, ao montante noticiado.

O escândalo em que François Fillon se encontra mergulhado há duas semanas custou-lhe a perda do estatuto de favorito na corrida presidencial.

Até 26 de janeiro, as sondagens apontavam-no como provável adversário da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, na segunda volta do escrutínio.

A revelação do caso e a posterior abertura de um inquérito pela justiça fizeram baixar a popularidade do candidato.

Segundo uma sondagem do instituto Ifop publicada esta terça-feira, a segunda volta será disputada entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron, o candidato independente.

As presidenciais francesas realizam-se a 23 de abril e 07 de maio.

Lusa


  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33