sicnot

Perfil

Mundo

Advogados de candidato a Presidente francês Fillon exigem fim de "investigação ilegal"

Os advogados do candidato da direita às eleições presidenciais em França, François Fillon, anunciaram ter hoje pedido ao ministério público nacional financeiro que abandone a "investigação ilegal" sobre pagamentos à sua mulher em alegado emprego fictício.

A investigação a pagamentos provenientes de verbas parlamentares inflige "um duro golpe no princípio da separação dos poderes", declarou um dos advogados de Fillon, Antonin Lévy, em conferência de imprensa.

"O gabinete do ministério público financeiro não é competente para investigar esta matéria, o crime imputado a François Fillon é-lhe totalmente inaplicável" e, por conseguinte, "a investigação do ministério público torna-se ilegal", acrescentou.

O ex-primeiro-ministro e candidato ao Eliseu está no centro de uma polémica depois de o semanário satírico Le Canard Enchaîné ter noticiado, a 26 de janeiro, que quando era deputado, Fillon criou empregos fictícios de assessoria parlamentar para a mulher e dois filhos que lhes permitiram receber centenas de milhares de euros de fundos públicos.

Na segunda-feira, em conferência de imprensa, Fillon pediu perdão por ter empregado a mulher e os filhos, mas negou tratar-se de empregos fictícios e assegurou que mereceram o salário que receberam, inferior, disse, ao montante noticiado.

O escândalo em que François Fillon se encontra mergulhado há duas semanas custou-lhe a perda do estatuto de favorito na corrida presidencial.

Até 26 de janeiro, as sondagens apontavam-no como provável adversário da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, na segunda volta do escrutínio.

A revelação do caso e a posterior abertura de um inquérito pela justiça fizeram baixar a popularidade do candidato.

Segundo uma sondagem do instituto Ifop publicada esta terça-feira, a segunda volta será disputada entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron, o candidato independente.

As presidenciais francesas realizam-se a 23 de abril e 07 de maio.

Lusa


  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.