sicnot

Perfil

Mundo

Advogados de candidato a Presidente francês Fillon exigem fim de "investigação ilegal"

Os advogados do candidato da direita às eleições presidenciais em França, François Fillon, anunciaram ter hoje pedido ao ministério público nacional financeiro que abandone a "investigação ilegal" sobre pagamentos à sua mulher em alegado emprego fictício.

A investigação a pagamentos provenientes de verbas parlamentares inflige "um duro golpe no princípio da separação dos poderes", declarou um dos advogados de Fillon, Antonin Lévy, em conferência de imprensa.

"O gabinete do ministério público financeiro não é competente para investigar esta matéria, o crime imputado a François Fillon é-lhe totalmente inaplicável" e, por conseguinte, "a investigação do ministério público torna-se ilegal", acrescentou.

O ex-primeiro-ministro e candidato ao Eliseu está no centro de uma polémica depois de o semanário satírico Le Canard Enchaîné ter noticiado, a 26 de janeiro, que quando era deputado, Fillon criou empregos fictícios de assessoria parlamentar para a mulher e dois filhos que lhes permitiram receber centenas de milhares de euros de fundos públicos.

Na segunda-feira, em conferência de imprensa, Fillon pediu perdão por ter empregado a mulher e os filhos, mas negou tratar-se de empregos fictícios e assegurou que mereceram o salário que receberam, inferior, disse, ao montante noticiado.

O escândalo em que François Fillon se encontra mergulhado há duas semanas custou-lhe a perda do estatuto de favorito na corrida presidencial.

Até 26 de janeiro, as sondagens apontavam-no como provável adversário da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, na segunda volta do escrutínio.

A revelação do caso e a posterior abertura de um inquérito pela justiça fizeram baixar a popularidade do candidato.

Segundo uma sondagem do instituto Ifop publicada esta terça-feira, a segunda volta será disputada entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron, o candidato independente.

As presidenciais francesas realizam-se a 23 de abril e 07 de maio.

Lusa


  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras