sicnot

Perfil

Mundo

Cérebro dos atentados de 11 de setembro acusa EUA de começar a guerra

© Peter Morgan / Reuters

O cérebro dos atentados de 11 de setembro contra Nova Iorque afirma numa carta dirigida ao ex-presidente Barack Obama que os ataques foram consequência da política externa dos Estados Unidos.

O advogado de Khaled Cheik Mohammed disse à France Presse que a carta, de 18 páginas, começou a ser escrita em 2014 e é dirigida "à cabeça da serpente, Barack Obama" e "dirigente da nação da opressão e da tirania".

A carta é datada do dia 08 de janeiro de 2015 mas só chegou à Casa Branca dois anos mais tarde, nos últimos dias da Administração Obama, no passado mês de janeiro.

Khaled, preso na base de Guantánamo, foi autorizado por um juiz militar a enviar a carta para o ex-chefe de Estado norte-americano.

"Não fomos nós que desencadeamos a guerra contra vocês em setembro de 2001. Foram vocês e os vossos ditadores nos nossos territórios" escreve o prisioneiro que assina com as iniciais "KSM".

Os atentados de 11 de setembro de 2001 fizeram pelo menos três mil mortos.

Khaled afirma também que "Deus estava ao lado" dos piratas do ar da Al Qaeda que atacaram Nova Iorque e Washington durante a presidência de George W. Bush.

"Deus ajudou-nos a levar a cabo os atentados de 11 de setembro, a destruir a economia capitalista e a expor a hipocrisia e os vossos argumentos de sempre sobre a democracia e a liberdade", escreve ainda o homem de origem paquistanesa.

O autor do texto, enumera uma lista de "massacres brutais e selvagens" dos Estados Unidos referindo-se à Guerra do Vietnam e ao lançamento das bombas atómicas no Japão.

Khaled fala também do "destino dos palestinianos" e o apoio dos Estados Unidos aos "ocupantes judeus" de Israel.

"As vossas mãos continuam manchadas com o sangue dos nossos irmãos e irmãs e das nossas crianças mortos em Gaza", refere no primeiro parágrafo da carta.

Cheick Mohammed juntou à carta de 18 páginas um manuscrito de 51 páginas com o título "Será que vou morrer quando os Cruzados aplicarem a pena de morte? A Verdade sobre a Morte" e que ilustrou com o desenho de uma corda.

O homem, de 52 anos, e que pode ser condenado à pena capital diz que não tem medo da morte.

"Eu falo da morte com alegria", escreveu.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.