sicnot

Perfil

Mundo

Conway gera nova polémica com apelo à compra de produtos da filha de Trump

© Kevin Lamarque / Reuters

Uma conselheira de Donald Trump provocou esta quinta-feira mais uma polémica sobre os conflitos de interesses na Casa Branca, ao apelar à compra dos produtos da filha mais velha do presidente, retirados de venda por uma cadeia de distribuição.

"Vão comprar os produtos da Ivanka. Detesto fazer compras, (mas) hoje vou fazê-las", afirmou Kellyanne Conway, a partir da Casa Branca, na cadeia televisiva Fox. "É uma linha magnífica (de produtos). Eu própria tenho alguns. Vou fazer publicidade gratuita: vão todos comprá-los. Vocês podem encontrá-los em linha" (online), disse Conway, que fez as declarações em uma sala com o selo oficial da Casa Branca.

A conselheira do presidente respondeu assim ao anúncio, feito na semana passada, da cadeia de armazéns Nordstrom que ia deixar de vender a linha de vestuário e acessórios de Ivanka Trump.

Esta decisão tinha provocado na terça-feira a cólera do presidente norte-americano, que se precipitou sobre a rede social Twitter para denunciar o tratamento dado à sua filha. "A minha filha Ivanka foi tratada de maneira muito injusta pela Nordstrom", escreveu Trump, alimentando mais uma vez as suspeitas de mistura entre interesses comerciais, políticos e familiares.

Esta acusação tinha suscitado a indignação de vários democratas, que tinha denunciado uma reação "inapropriada", e a nova ofensiva de Conway só aumentou a sua cólera.

"Este parece ser o exemplo de violação das leis e regulações sobre a ética governamental", escreveu o congressista democrata Elijah Cummings a uma comissão do Congresso, apelando à intervenção da agência que trata da ética governamental.

As regras federais interditam a qualquer empregado do setor público utilizar as suas funções "para seu próprio ganho" ou "para apoiar qualquer produto, serviço ou empresa".

Na rede Twitter, aquela agência afirmou hoje que estava submersa em apelos de cidadãos comuns, adiantando que não tinha o poder de "investigar" ou de "fazer respeitar as regras", competências estas que pertencem ao Congresso e à polícia federal (FBI).

O porta-voz da Casa Branca, que defendeu na quarta-feira o direito de Trump "defender a sua família", desta vez distanciou-se das declarações de Conway.

"Kellyanne foi chamada à ordem sobre este assunto, ponto final", foi a reação seca de Sean Spicer, durante o encontro diário com os jornalistas.

Esta conselheira, omnipresente na comunicação social, tem estado no centro de várias polémicas, como a que se seguiu à sua invenção, com todos os pormenores, de um "massacre" cometido por alegados terroristas islâmicos numa cidade dos EUA.

Em todo o caso, esta nova polémica dá mais argumentos aos que acusam o clã Trump e os seus próximos de utilizar a Casa Branca para defender os seus próprios interesses.

O próprio Donald Trump alimentou estas suspeitas ao conservar a sua parte no império familiar que fez a sua fortuna, com ramificações em numerosos países estrangeiros aliados dos EUA.

Lusa

  • "Trump também vive no mundo alternativo de Kellyanne Conway"
    5:47

    Opinião

    As sanções aplicadas ao Irão pela administração de Donald Trump e a polémica gerada pela conselheira do Presidente norte-americano, Kellyanne Conway, foram temas em análise no Jornal da Meia-Noite desta sexta-feira. Luís Costa Ribas considera que Trump tem agido com alguma cautela no que toca às relações com Teerão mas refere que o Presidente norte-americano vive no mesmo "mundo alternativo" de Kellyanne Conway, que numa entrevista falou de um massacre que não existiu.

  • O massacre inexistente da conselheira de Trump
    2:01

    Mundo

    Uma das mais importantes conselheiras de Donald Trump deu esta quinta-feira uma entrevista que está a provocar muitas reações nas redes sociais. Isto porque Kellyanne Conway referiu-se a um massacre nos Estados Unidos... que nunca aconteceu.

  • Conselho Europeu elege sedes de agências em novembro

    Mundo

    Os líderes da UE adotaram os critérios para a escolha das cidades que acolherão as sedes das agências europeias atualmente em Londres, uma das quais a do Medicamento, que Portugal quer receber, agendando a eleição para novembro.

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.