sicnot

Perfil

Mundo

Médicos Sem Fronteiras condenam ataque a trabalhadores da Cruz Vermelha no Afeganistão

© Thierry Gouegnon / Reuters

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) condenaram esta quinta-feira o ataque contra um comboio da Cruz Vermelha, que aconteceu na quarta-feira, no Afeganistão, e no qual morreram seis trabalhadores e outros dois ainda estão desaparecidos.

"Não há justificação para um ataque tão brutal contra trabalhadores humanitários. Condenamos de forma contundente este ataque e todos os ataques contra a assistência humanitária", referiu num comunicado a presidente da MSF Internacional, Joanne Liu.

A MSF enviou condolências às famílias, amigos e colegas dos mortos e espera que os dois funcionários desaparecidos sejam encontrados.
A organização não-governamental lembrou que muitos afegãos dependem da assistência humanitária para sobreviver e que este ataque só aumentará as dificuldades das entidades que tentam ajudar os civis.

"Estamos em estado de choque e de incredulidade pelo que se passou, sendo este um ataque direto à ação humanitária", acrescentou Joanne Liu.

Quase um mês depois da libertação de um trabalhador espanhol da Cruz Vermelha, que permaneceu sequestrado durante quatro semanas, um grupo de voluntários foi intercetado quando levava alimentação para animais na província de Jawzjan, no norte do Afeganistão, zona controlada por rebeldes e criminosos.

Uma fonte indicou que o ataque foi realizado por "militantes" do grupo extremista Daesh, que até ao momento não reivindicou a ação.

Os talibãs desvincularam-se do ataque, que atribuíram a um grupo de "sequestradores", uma definição que em outras ocasiões utilizaram para se referir ao EI, com quem estão em confronto.

Como resultado do ataque, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou, na quarta-feira, a suspensão temporária das suas operações no Afeganistão, depois de sofre a pior tragédia em 20 anos naquele país.

O CICV condenou o ataque "desprezível" e "deliberado" contra os trabalhadores humanitários da organização.

Lusa

  • Manifestações contra os incêndios um pouco por todo o país
    1:33

    País

    Estão marcadas para esta tarde várias manifestações contra os incêndios e as políticas florestais, mas também de homenagem às vítimas dos fogos que arrasaram o país. As iniciativas de protesto são quase todas organizadas através das redes sociais e por grupos de cidadãos.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.