sicnot

Perfil

Mundo

Médicos Sem Fronteiras condenam ataque a trabalhadores da Cruz Vermelha no Afeganistão

© Thierry Gouegnon / Reuters

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) condenaram esta quinta-feira o ataque contra um comboio da Cruz Vermelha, que aconteceu na quarta-feira, no Afeganistão, e no qual morreram seis trabalhadores e outros dois ainda estão desaparecidos.

"Não há justificação para um ataque tão brutal contra trabalhadores humanitários. Condenamos de forma contundente este ataque e todos os ataques contra a assistência humanitária", referiu num comunicado a presidente da MSF Internacional, Joanne Liu.

A MSF enviou condolências às famílias, amigos e colegas dos mortos e espera que os dois funcionários desaparecidos sejam encontrados.
A organização não-governamental lembrou que muitos afegãos dependem da assistência humanitária para sobreviver e que este ataque só aumentará as dificuldades das entidades que tentam ajudar os civis.

"Estamos em estado de choque e de incredulidade pelo que se passou, sendo este um ataque direto à ação humanitária", acrescentou Joanne Liu.

Quase um mês depois da libertação de um trabalhador espanhol da Cruz Vermelha, que permaneceu sequestrado durante quatro semanas, um grupo de voluntários foi intercetado quando levava alimentação para animais na província de Jawzjan, no norte do Afeganistão, zona controlada por rebeldes e criminosos.

Uma fonte indicou que o ataque foi realizado por "militantes" do grupo extremista Daesh, que até ao momento não reivindicou a ação.

Os talibãs desvincularam-se do ataque, que atribuíram a um grupo de "sequestradores", uma definição que em outras ocasiões utilizaram para se referir ao EI, com quem estão em confronto.

Como resultado do ataque, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou, na quarta-feira, a suspensão temporária das suas operações no Afeganistão, depois de sofre a pior tragédia em 20 anos naquele país.

O CICV condenou o ataque "desprezível" e "deliberado" contra os trabalhadores humanitários da organização.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.