sicnot

Perfil

Mundo

Supremo Tribunal do Quénia impede encerramento do campo de refugiados de Dadaab

© STR New / Reuters

O Supremo Tribunal do Quénia recusou a proposta do Governo para encerrar o maior campo de refugiados do mundo. Construído em 1991, vivem neste campo cerca de 250 mil refugiados somalis.

A diretiva do Governo para fechar o campo e repatriar os refugiados foi emitida em 2016 por "questões de segurança". O Executivo do Quénia acredita que os ataques no país foram planeados pelo grupo al-Shabab dentro do campo.

Dadaab foi construído em 1991 para dar refúgio às famílias que fugiam do conflito na Somália. Alguns dos refugiados vivem neste campo há mais de 20 anos.

Para a Comissão dos Direitos Humanos do Quénia, a situação era "discriminatória" e contrariava a lei internacional, razão pela qual o juiz decidiu impedir o encerramento.

O Governo pode agora pedir recurso da decisão do Supremo.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • "Temos que cuidar dos feridos, temos que recuperar os territórios"
    1:02

    País

    O primeiro-ministro disse hoje que, depois das chamas apagadas, agora é o tempo de passar das palavras aos atos, de decidir e executar. Após uma visita a feridos dos incêndios, em Coimbra, António Costa confirmou que o Conselho de Ministros do próximo sábado vai transformar em medidas as recomendações feitas pela comissão técnica independente.

  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06