sicnot

Perfil

Mundo

Trump é o representante da "oligarquia fóssil" dos EUA

Donald Trump é o porta-voz direto da "oligarquia fóssil" e a sua administração constitui uma "mistura tóxica", disse em declarações à Lusa o sociólogo Michael Löwy, que hoje participou num debate em Lisboa.

"O que acontece nos Estados Unidos é um fenómeno novo, não obedece aos padrões tradicionais da política conservadora desse país. É um fenómeno de nacionalismo conservador, reacionário, xenófobo, racista, com protecionismo económico. Muito preocupante, e também com aspetos de sexismo, é uma mistura tóxica", considerou o sociólogo, 78 anos, natural de São Paulo e de dupla nacionalidade brasileira e francesa.

Filho de pais judeus provenientes de Viena, Michael Löwy nasceu no Brasil em 1938, obteve a licenciatura em Ciências Sociais na universidade de São Paulo em meados da década de 1950 e na seguinte instalou-se em Paris, onde realizou o doutoramento e prosseguiu uma intensa carreira académica.

"Do ponto de vista ecológico é um desastre monstruoso", afirma ainda numa referência à nova administração da Casa Branca.

"Trump é o porta-voz direito do que chamaria a oligarquia fóssil. Dos interesses das energias fósseis, do petróleo, do carvão, de tudo o que está relacionado, caso da indústria automóvel. Um aparelho enorme e ele é o porta-voz direto dessa oligarquia fóssil, que está preparada para queimar petróleo e carvão sem limites", indica, recordando a designação para secretário de Estado de Rex Tillerson, ex-patrão da petrolífera ExxonMobil.

Michael Lowy foi o convidado do Ciclo Utopias, no âmbito do tema Arquipélago Comum, que revisita os muitos projetos utópicos alternativos (socialismo, comunismo, anarquismo) que surgiram entre finais do século XIX e início do século XX.

Uma parceria entre o Teatro Maria Matos e o Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do seu programa em torno do centenário da Revolução de Outubro de 1917.

O tema "Romantismo e Revolução" foi abordado pelo convidado e pelo jornalista António Guerreiro, com introdução prévia a cargo do professor universitário José Neves.

"Nesta situação vamos avançar em direção a uma catástrofe ecológica, vamos avançar rapidamente em direção ao ponto em que já não podemos segurar o aquecimento global. É muito preocupante", alerta o sociólogo, diretor de investigação emérito em Ciências Sociais no Centro Nacional da Pesquisa Científica (CNRS) e professor na Escola de Altos estudos em Ciências sociais (EHESS), de Paris.

"A esperança é a resistência que está a acontecer, dos indígenas, das mulheres, da juventude, dos sindicatos, boa parte da população está em luta contra o 'trumpismo'. Essa é a nossa esperança", assinala Löwy, que cresceu no turbulento Brasil da Nova República, tornando-se em 1954, com 16 anos, um convicto socialista.

Numa referência à atual situação na América Latina, refere-se a uma "ofensiva conservadora neoliberal com aspetos autoritários" e que contou com uma "certa neutralidade" da anterior administração de Barack Obama.

"Em alguns casos são vitórias eleitorais, no caso da Argentina, e em outros casos são golpes de Estado pseudo-legais, pseudo-parlamentares, que começou nas Honduras em 2009 com o derrube do governo de centro-esquerda, depois no Paraguai com o derrube do Presidente Lugo, pessoas muito moderadas derrubadas por esses golpes pseudo-legais", sublinha o académico, autor de obras sobre Karl Marx, Georg Lukács, Walter Banjamin ou Franz Kafka.

Entre os seus livros, estão publicados em Portugal "Revolta e Melancolia -- O Romantismo Contra a Corrente da Modernidade" (Bertrand, 1997), "O Pensamento de Che Guevara" (Bertrand, 1976) e "Utopias" (2016).

Numa referência ao seu país natal, refere-se às "acusações ridículas" dirigidas à ex-Presidente Dilma Rousseff, "pretexto para um golpe de Estado que instalou um governo autoritário que tem uma base pseudo-legal e muito reacionário, comprometido com uma agenda neoliberal extrema".

Michael Löwy recordou uma recente lei aprovada pelo parlamento de Brasília "que vai congelar as despesas de saúde e educação por 20 anos e que incluíram na Constituição".

Uma situação ainda definida como "muito preocupante", num mundo onde a esperança também existe.

Lusa


  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.