sicnot

Perfil

Mundo

Trump é o representante da "oligarquia fóssil" dos EUA

Donald Trump é o porta-voz direto da "oligarquia fóssil" e a sua administração constitui uma "mistura tóxica", disse em declarações à Lusa o sociólogo Michael Löwy, que hoje participou num debate em Lisboa.

"O que acontece nos Estados Unidos é um fenómeno novo, não obedece aos padrões tradicionais da política conservadora desse país. É um fenómeno de nacionalismo conservador, reacionário, xenófobo, racista, com protecionismo económico. Muito preocupante, e também com aspetos de sexismo, é uma mistura tóxica", considerou o sociólogo, 78 anos, natural de São Paulo e de dupla nacionalidade brasileira e francesa.

Filho de pais judeus provenientes de Viena, Michael Löwy nasceu no Brasil em 1938, obteve a licenciatura em Ciências Sociais na universidade de São Paulo em meados da década de 1950 e na seguinte instalou-se em Paris, onde realizou o doutoramento e prosseguiu uma intensa carreira académica.

"Do ponto de vista ecológico é um desastre monstruoso", afirma ainda numa referência à nova administração da Casa Branca.

"Trump é o porta-voz direito do que chamaria a oligarquia fóssil. Dos interesses das energias fósseis, do petróleo, do carvão, de tudo o que está relacionado, caso da indústria automóvel. Um aparelho enorme e ele é o porta-voz direto dessa oligarquia fóssil, que está preparada para queimar petróleo e carvão sem limites", indica, recordando a designação para secretário de Estado de Rex Tillerson, ex-patrão da petrolífera ExxonMobil.

Michael Lowy foi o convidado do Ciclo Utopias, no âmbito do tema Arquipélago Comum, que revisita os muitos projetos utópicos alternativos (socialismo, comunismo, anarquismo) que surgiram entre finais do século XIX e início do século XX.

Uma parceria entre o Teatro Maria Matos e o Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do seu programa em torno do centenário da Revolução de Outubro de 1917.

O tema "Romantismo e Revolução" foi abordado pelo convidado e pelo jornalista António Guerreiro, com introdução prévia a cargo do professor universitário José Neves.

"Nesta situação vamos avançar em direção a uma catástrofe ecológica, vamos avançar rapidamente em direção ao ponto em que já não podemos segurar o aquecimento global. É muito preocupante", alerta o sociólogo, diretor de investigação emérito em Ciências Sociais no Centro Nacional da Pesquisa Científica (CNRS) e professor na Escola de Altos estudos em Ciências sociais (EHESS), de Paris.

"A esperança é a resistência que está a acontecer, dos indígenas, das mulheres, da juventude, dos sindicatos, boa parte da população está em luta contra o 'trumpismo'. Essa é a nossa esperança", assinala Löwy, que cresceu no turbulento Brasil da Nova República, tornando-se em 1954, com 16 anos, um convicto socialista.

Numa referência à atual situação na América Latina, refere-se a uma "ofensiva conservadora neoliberal com aspetos autoritários" e que contou com uma "certa neutralidade" da anterior administração de Barack Obama.

"Em alguns casos são vitórias eleitorais, no caso da Argentina, e em outros casos são golpes de Estado pseudo-legais, pseudo-parlamentares, que começou nas Honduras em 2009 com o derrube do governo de centro-esquerda, depois no Paraguai com o derrube do Presidente Lugo, pessoas muito moderadas derrubadas por esses golpes pseudo-legais", sublinha o académico, autor de obras sobre Karl Marx, Georg Lukács, Walter Banjamin ou Franz Kafka.

Entre os seus livros, estão publicados em Portugal "Revolta e Melancolia -- O Romantismo Contra a Corrente da Modernidade" (Bertrand, 1997), "O Pensamento de Che Guevara" (Bertrand, 1976) e "Utopias" (2016).

Numa referência ao seu país natal, refere-se às "acusações ridículas" dirigidas à ex-Presidente Dilma Rousseff, "pretexto para um golpe de Estado que instalou um governo autoritário que tem uma base pseudo-legal e muito reacionário, comprometido com uma agenda neoliberal extrema".

Michael Löwy recordou uma recente lei aprovada pelo parlamento de Brasília "que vai congelar as despesas de saúde e educação por 20 anos e que incluíram na Constituição".

Uma situação ainda definida como "muito preocupante", num mundo onde a esperança também existe.

Lusa


  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.