sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 300 baleias mortas dão à costa na Nova Zelândia 

Cerca de 300 baleias mortas dão à costa na Nova Zelândia 

Cerca de 300 baleias-piloto mortas deram à costa na Nova Zelândia. Fontes oficiais neozelandesas disseram a uma estação local que se calcula que ficaram encalhadas 416 baleias durante a noite. O local onde os animais apareceram é muito arenoso e localiza-se no sul do país.

Dezenas de equipas de resgaste lutam contra o tempo para manter vivas as baleias sobreviventes. Este é o maior incidente com baleias encalhadas na Nova Zelândia e o segundo neste local de águas pouco profundas.


Em fevereiro de 2015, 200 baleias-piloto que ficaram presas na mesma zona e a maior parte acabou por morrer.

Desconhecem-se as razões pelas quais os animais ficaram presos.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.