sicnot

Perfil

Mundo

Do Irão à Namíbia, já não são só os países europeus que querem ser "segundos"

Uma competição entre países tornou-se viral e Donald Trump é o responsável. E já não só os países europeus que pedem a Trump para vir em segundo lugar na "lista" dos melhores do mundo. Do Irão à Namíbia, há os que pedem até um terceiro lugar ou, ao menos, para ficar antes do pior inimigo.

No dia da tomada de posse, o Presidente dos Estados Unidos insistiu que "a América vem primeiro". Nenhum país contesta a superioridade da superpotência por isso, humildemente, todos pedem apenas para ficar em segundo. Ou terceiro. Ou, pelo menos, para ficar num lugar anterior ao seu pior inimigo.

Primeiro foi a Holanda. Um comediante holandês apresentou este pequeno país europeu ao novo Presidente , "de uma forma que o cative".

Rapidamente outros países europeus seguiram a Holanda mostrando ao Presidente dos EUA o que de melhor têm que o possa agradar para que coloque o país na sua lista de favoritos (e evitar que, por engano, o líder da "great America" carregue na tecla vermelha que lança um míssil nuclear.

Dinamarca, Portugal, Suíça, Bélgica e Alemanha pedem para ser "segundos", mas a Letónia não é tão ambiciosa e pede apenas o terceiro lugar.

Surgiram entretanto os vídeos de apresentação de muitos outros países europeus: Áustria, Bulgária, Croácia, Espanha, Finlândia, República Checa, Islândia, Itália, Luxemburgo, Moldávia e Eslovénia.

Outros países de outros continentes não quiseram perder a corrida - África (Namíbia e Marrocos), Oceânia (representada pela Austrália) e Ásia (por enquanto ainda só com o Irão) entram nesta "great" competição.

O Irão pede apenas que Donald Trump perceba que é um país totalmente diferente do seu arqui-inimigo Iraque. Apela, por isso, a ficar no lugar anterior ao vizinho.

Uma curiosidade: há mais algo em comum em quase todos os vídeos europeus - o narrador é sempre o mesmo. A imitação da voz de Trump no vídeo da Holanda é feita por um norte-americano a viver neste país,Greg Shapiro.

Os outros, como o de Portugal, Suíça, Alemanha, Luxemburgo e Dinamarca são relatados por outro comediante norte-americano, Shaun Streeter.

"Click here. It's huge. Like Donald's hands. It's the funniest website in the world! Believe us!"

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.