sicnot

Perfil

Mundo

Egípcia com 500 quilos vai à Índia para realizar cirurgia bariátrica

Uma egípcia que poderá ser a mulher a mais pesada do mundo vai à Índia para realizar uma cirurgia bariátrica no sábado, após o ministro dos Negócios Estrangeiros indiano lhe ter assegurado um visto para entrar no país.

Eman Ahmed Abd El-Aty, de 36 anos e a pesar cerca de 500 quilos, deve chegar a Bombaim na manhã de sábado, disse num comunicado Muffazal Lakdawala, o cirurgião indiano que trata da egípcia.

A mulher será levada por um avião da Airbus especialmente modificado e depois transportada para o Hospital Saifee, em Mumbai, segundo a nota.

"Para prepará-la para o voo, uma equipe de médicos esteve no Egito nos últimos dez dias para organizar a sua viagem", referiu o comunicado.

O médico Muffazal Lakdawala, depois de saber do caso de Eman Ahmed Abd El-Aty, disse que faria a operação gratuitamente.

A irmã da egípcia aproximou-se de Lakdawala em outubro, dizendo que a mulher precisava de atenção médica urgente.A família da doente disse ao médico que em criança foi diagnosticada com elefantíase e, posteriormente, sofreu com um AVC e desenvolveu doenças como diabetes, hipertensão e apneia do sono.

Como o pedido de visto da mulher, num primeiro momento, havia sido rejeitado, Lakdawala pediu em dezembro a ajuda do ministro dos Negócios Estrangeiros da Índia, Sushma Swaraj, que possibilitou a aprovação do visto para a egípcia se deslocar à Índia e realizar a cirurgia.

Na altura, Swaraj estava no hospital à espera de um transplante de rim, mas foi rápido ao responder com uma oferta de ajuda.

Se o peso da egípcia for provado medicamente, ela ultrapassará Pauline Potter (291,6 quilos), dos Estados Unidos, tornando-se a mulher mais pesada do mundo.

A cirurgia bariátrica é um procedimento médico específico para a redução do estômago realizado em pessoas que querem perder peso, normalmente muito excessivo.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.