sicnot

Perfil

Mundo

Familiares de polícias fazem protesto frente a quartéis do Rio de Janeiro

Familiares dos polícias em greve por melhores salários bloqueiam a entrada do quartel pela noite dentro.

© Paulo Whitaker / Reuters

Familiares de polícias militares do Rio de Janeiro realizam esta sexta-feira protestos pacíficos frente a alguns quartéis do estado, mas o policiamento continua a acontecer normalmente nas ruas das cidades.

Nas redes sociais, a polícia militar está a publicar fotos dos agentes ao lado das viaturas e a atualizar as áreas em que os polícias estão a trabalhar, usando as hashtags #ValorizeQuemTeProtege e #PMERJnasruas.

Desde o início da semana, informações divulgadas nas redes socais indicavam que a polícia militar "carioca" poderia organizar um movimento semelhante ao que acontece no estado do Espírito Santo, onde uma greve iniciada no sábado deixou a maioria das cidades sem policiamento e obrigou o Governo Federal a enviar reforços das Forças Armadas.

No Rio de Janeiro, a situação poderia ser mais grave, já que os polícias, assim como outros servidores públicos, têm salários e gratificações em atraso desde o ano passado.

O Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, anunciou na quarta-feira um aumento salarial de 10,22% para os polícias, para evitar qualquer tipo de paralisação que pusesse em causa a segurança pública.

A greve dos polícias do Espírito Santo começou no último sábado e, desde então, uma onda de saques a lojas e supermercados, assaltos, mortes e tiroteios está a apavorar a população local.

Segundo informações do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol), pelo menos 106 pessoas foram mortas de forma violenta no estado durante a paralisação.

Lusa

  • Ocorrências diminuíram mas a população do estado do Espírito Santo continua com medo
    4:52

    Mundo

    A correspondente da SIC no Brasil diz que, apesar da diminuição do número de episódios de violência no estado do Espírito Santo, a população continua com medo da situação que se vive devido à greve da polícia militar. Ivani Flora explica que, com a paralisação, o número de responsáveis pelo patrulhamento passou de 10 para dois mil homens. Até ao próximo sábado está prevista a chegada de mais mil elementos das forças armadas com experência em sistuações de conflito.

  • Militares em greve tentam chegar a acordo com Governo brasileiro
    1:55

    Mundo

    O Governo do estado do Espírito Santo, no Brasil, tem estado esta quinta-feira reunido com os familiares dos militares em greve. Em declarações à SIC Notícias, o vice-presidente da Associação de Cabos Soldados da Polícia Militar do Espírito Santo, Noé da Matta Ribeiro, considera que não vai ser fácil chegar a uma solução e lamenta que o Governo não invista nos militares. Por outro lado, o Governo diz que não é possível aumentar salários e fala em chantagem.

  • DIRETO: Célula terrorista preparava grande atentado na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das vítimas mortais do atentado em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. A polícia procura quatro jovens e há outras quatro detenções confirmadas. Os autores dos ataques na Catalunha, que mataram 14 pessoas e feriram 140, pertenciam ao mesmo grupo. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55

    País

    As temperaturas altas e o vento forte estão a provocar reacendimentos em Mação. No terreno mantêm-se cerca de 800 bombeiros, numa altura que que há receio que as chamas voltem a ficar ativas, como explica o repórter Rui Carlos Teixeira.