sicnot

Perfil

Mundo

Governo peruano oferece recompensa pela captura de ex-presidente

© Handout . / Reuters

O Governo do Peru ofereceu esta sexta-feira uma elevada recompensa para capturar o ex-Presidente Alejandro Toledo (2001-2006) e pressionou a Interpol para emitir um mandado de captura internacional para que seja julgado pela justiça peruana.

Esta foi a primeira consequência da decisão judicial da noite de quinta-feira e à revelia, onde foi decretada a prisão preventiva de Toledo, acusado de "lavagem" de dinheiro e tráfico de influências por ter supostamente recebido 20 milhões de dólares (18,7 milhões de euros) em subornos da empresa de construção brasileira Odebrecht para favorecer os seus negócios no país.

Numa decisão de elevado simbolismo, o Ministério do Interior colocou o ex-Presidente na lista dos delinquentes mais procurados no país e anunciou uma recompensa de 100.000 soles (28.000 euros) para qualquer informação que conduza à sua localização e captura.

Em paralelo, o procurador-geral peruano, Pablo Sánchez, considerou "histórico" o processo contra Toledo por "ser a primeira vez que se investigou um alto ex-funcionário do Estado e que culminou com uma decisão de prisão preventiva por parte do poder judicial".

A justiça peruana considerou na noite de quinta-feira que existem provas suficientes para decretar a prisão de Toledo e mantê-lo 18 meses em prisão preventiva por supostamente ter favorecido a Odebrecht no concurso para a Estrada interoceânica do sul, a troco de generosas contribuições, depositadas numa rede de empresas 'offshore'.

Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.