sicnot

Perfil

Mundo

Os sites e aplicações de encontros promovem a igualdade sexual?

As aplicações que promovem encontros amorosos intrigam e fascinam, mas também causam repulsa a alguns. Arena de libertinagem ou progressista e libertador? As opiniões de quem utiliza e de quem estuda o assunto.

"As aplicações ajudaram-me a desdramatizar as relações sexuais", diz Emilie, uma jovem francesa de 30 anos, solteira, inscrita no Tinder, no Happn e AdopteUnMec (adota um rapaz, em tradução livre).

"É a democratização do 'date'" (encontro amoroso), afirma Julie, arquiteta parisiense de 30 anos que, graças às novas tecnologias, diz sentir-se "descomplexada ao procurar um rapaz".

Uma vez que está "disponível em qualquer altura", como salienta Julie, o "engate pode ser feito no trabalho, nos transportes públicos, à noite, em frente à televisão e à vista de toda a agente".

Tinder, match, swipe

Quatro anos depois de ser lançado, o Tinder afirma que foi descarregado 110 milhões de vezes no mundo, mas guarda segredo quanto ao número de utilizadores em cada país - 196 no total.

Novas palavras entraram no vocabulário: Tinder tornou-se sinónimo de encontro, "match" - correspondência entre dois potenciais parceiros - "swipe" para aceitar ou recusar.

Sexo casual por mútuo consentimento

"Tudo isto normaliza o saltitar de namoro em namoro e favorece um comportamento consumista: as pessoas são utilizadas como um lenço descartável. Isto pode ser violento", alerta por seu lado Stéphane Rose, autor do livro "misère-sexuelle.com, le livre noir des sites de rencontres" - o livro negro dos sites de encontros.

Estas aplicações são acusadas de fazer a apologia do sexo casual, mas os utilizadores afirmam que não têm necessariamente esse único fim. "Eu nem sou muito de 'one-night-stand' (encontro de uma noite). Tal como acontece na vida real, é preciso um golpe de sorte para se ficar apaixonado", lembra Julie.

Em defesa do site Happn, Claire Certain do gabinete de comunicação lembra que as pessoas têm que se encontrar na vida real depois da correspondência virtual. "As pessoas tomam primeiro um café. O Happn não promete sexo".

Além da disponibilidade, as aplicações oferecem discrição. "Estes serviços permitem o encontro entre pessoas de círculos sociais diferentes. Encontros que trazem menos consequências", refere a socióloga Marie Bergström à agência France Press.

Igualdade entre sexos

Quando as mulheres podem contar as suas histórias sem amanhã tal como os homens, a igualdade entre os sexos ganhou algum terreno.

Uma corrente feminista defende o direito da mulher à "multiplicação de encontros" e "ao sexo pelo sexo", revela Jean-Claude Kaufmann, autor de Sex@amour.

"Na tua casa ou na minha? É assim que terminam muitos encontros", conta uma utilizadora do Tinder.

  • O amor requer paciência, compreensão e rins saudáveis

    Mundo

    Um homem de confiança, saudável, de preferência com os dois rins. É do que anda à procura uma norte-americana de 27 anos, que publicou no Tinder um anúncio pouco comum sobre os atributos que deverá ter a sua "cara metade". O anúncio tornou-se viral nos últimos dias, no Twitter.

  • Pokémon Go + Tinder = PokeMatch

    Pokémon Go

    Quer companhia para caçar Pokémons? Há uma nova aplicação de encontros entre fãs do jogo do momento. Tem um funcionamento semelhante ao não menos popular Tinder. Chama-se PokeMatch.

  • Vamos Falar de Sexo: Redes Sociais
    17:09

    Vamos falar de Sexo

    No segundo episódio de "Vamos Falar de Sexo" o tema são as redes sociais, palco de muitas aventuras amorosas e sexuais. Há cada vez mais sites e aplicações criadas de propósito para acelerar um romance ou um encontro entre desconhecidos. E, num estudo recente, a maioria dos portugueses que usa a internet admitiu já a ter usado para algum tipo de relacionamento íntimo.Hoje, na reportagem SIC-Expresso contamos quatro histórias que começaram no Tinder, no Meetic, no Couchsurfing e no Gayromeo.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.