sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 37 migrantes morreram na fronteira EUA-México em 2017

© Carlos Barria / Reuters

Trinta e sete pessoas morreram na fronteira entre os EUA e o México desde o início do ano, mais oito do que no mesmo período de 2016, divulgou hoje a Organização Internacional das Migrações (OIM).

A organização, que monitoriza os movimentos migratórios em todo o mundo, recusou contudo relacionar estes números com a promessa do novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de construir um muro na fronteira.

"É impossível especular", disse numa conferência de imprensa em Genebra o porta-voz da organização, Joel Millman, acrescentando que pode dever-se a vários outros fatores, como a atual boa situação económica norte-americana.

Só esta semana, segundo a OIM, 15 imigrantes foram encontrados mortos no condado de Pima, no Arizona (Estados Unidos), presumivelmente devido a hipotermia ou desidratação, disse o porta-voz.

As autoridades desconhecem quando ocorreram as mortes, disse.
Juntamente com 22 afogamentos no Rio Bravo, na zona de fronteira entre o México e os EUA, registou-se quase uma morte por dia entre 01 de janeiro e 08 de fevereiro.

"Temos assistido a um ritmo muito mais acelerado de afogamentos no Rio Bravo, mas não sabemos se se deve a um maior fluxo de migrantes ou simplesmente a episódios infelizes", disse.

Em todo o ano de 2016, 65 pessoas morreram afogadas no Rio Bravo, segundo números da OIM.

No resto do mundo, nos primeiros 40 dias do ano, a OIM registou um total de 419 mortes de migrantes, uma média de dez pessoas -- homens, mulheres e crianças - por dia.


Lusa

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.